Notícias

Modernização do setor têxtil demanda novo perfil profissional, diz Sebrae

A modernização tecnológica e organizacional da indústria têxtil exige dos profissionais um novo perfil e também uma visão atualizada das demandas de mercado. É o que mostra  o relatório do Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae, que apresenta as características desejadas de profissionais e as necessidades da indústria.  

De acordo com o levantamento, as mudanças no sistema produtivo se refletem nas organizações, que caminham rapidamente para outro patamar em termos de tecnologia e conceitos de gestão. Entre as principais demandas estão a atualização dos processos e equipamentos industriais, novas matérias-primas (fios sintéticos, materiais biodegradáveis), automação na produção e aplicação de programas de qualidade gerencial (ISO 9000, Just in time) e ambiental (ISO 14000, BS 7750). O perfil do profissional têxtil também mudou: além de sólida formação básica, é preciso ter conhecimento e especialização em áreas diversificadas como gestão da produção, marketing e vendas, desenvolvimento de produtos, processos industriais e equipamentos.

Ainda segundo o relatório do SIS Sebrae, é inviável o afastamento de profissionais para longos períodos de capacitação em instituições distantes do centro produtivo. A atualização deve ser constante, em função da rápida adoção por empresas e indústrias inovadoras, de novos conceitos e processos. Por isso, é essencial que as instituições de formação profissional e técnica para o setor têxtil entendam as necessidades das empresas, repensando os procedimentos pedagógicos sem deixar de ofertar os serviços. 

Indústria têxtil e de confecção brasileira vai da fibra ao varejo - crédito da imagem: Divulgação

Dados da Abit/IEMI mostram que o Brasil é o único país que conta com uma cadeia têxtil completa, desde a produção de fibras, plantação do algodão até os desfiles de moda, passando por fiações, tecelagens, beneficiadoras, confecções e um importantes redes de varejo. Segundo maior empregador da indústria de transformação (só perde para alimentos e bebidas juntos), com 1,5 milhão de trabalhadores diretos e 8 milhões atuando indiretamente, o segmento têxtil é também o segundo maior gerador do primeiro emprego e o que mais conta com mão de obra feminina (75%). São 33 mil empresas formais registradas no país.

(Com informações da Abit)



Compartilhe:

<< Voltar