Banco americano diz que Selic pode chegar a 4% no ano que vem

Veículo: Estadão

Em relatório, o Bank of America Merrill Lynch (BofA) afirma que a inflação controlada, baixas expectativas e grande hiato do produto foram os responsáveis pela revisão

O Bank of America Merrill Lynch (BofA) reduziu sua projeção de taxa Selic ao final do ciclo, de 4,75% para 4,00%. A expectativa é de que o Banco Central (BC) promova mais três cortes de 0,50 ponto porcentual - dois ainda em 2019, com a taxa terminando o ano em 4,50%, e um adicional, em 2020, para 4%. 

Em relatório, o BofA afirma que a inflação controlada, baixas expectativas e grande hiato do produto foram os responsáveis pela revisão. De acordo com o banco, todos os cenários de previsão apontam para novos cortes de juros e, em alguns casos, até para a possibilidade de uma Selic ainda menor, encerrando 2020 entre 3,75% e 3,50%, ainda que essas não sejam as projeções da instituição.

Por outro lado, o BofA também revisou sua projeção para o crescimento do PIB em 2019, de 0,70% para 1,0%, e em 2020, de 1,90% para 2,40%. "Dados recentes parecem mostrar que o pior para o crescimento do PIB ficou para trás e as expectativas para a atividade futura estão melhorando. Juros mais baixos, progresso das reformas, mais confiança e melhor geração de empregos embasam esta visão", diz o banco.

O BofA ainda destaca que a liberação de saques do FGTS deve servir como um impulso de curto prazo para a atividade. Mesmo assim, o hiato do produto somente deve ser superado ao final de 2021.