Calçadistas seguem cautelosos

As vendas de calçados devem apresentar um pequeno crescimento este ano, mas representantes do setor ainda estão cautelosos diante da recuperação lenta da economia. 

A Associação Brasileira dos Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac) estima que o varejo de calçados no país terá um aumento nominal de 3,5% no faturamento, para R$ 55,3 bilhões. Em volume, as vendas devem ficar estáveis, totalizando 897 milhões de pares. 

Em 2018, as vendas da categoria apresentaram queda de 4% em volume e incremento de 2,6% em valor, para R$ 53,4 bilhões. 

"Imaginamos que este ano vai ser diferente do que foi em 2018. As compras foram um pouco melhores nas liquidações deste início de ano. Mas ainda é preciso esperar para ver uma reação da economia", afirmou Wesley Barbosa, diretor-executivo da Ablac. 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que as vendas de tecidos, vestuário e calçados apresentaram queda de 0,1% em valor em 2018. Em volume, a retração foi de 1,6% nas vendas domésticas. 

Heitor Klein, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), disse que ainda não viu mudanças no desempenho neste início de ano. "Acredito que tenhamos alguma virada a partir de abril, se o inverno se mostrar mais rigoroso." 

Veículo: Valor Econômico

Seção: Empresas