Sintex defende retomada do trabalho

Todo setor produtivo brasileiro, destacando aqui especialmente o setor têxtil, sentiu os impactos desses últimos dias de indefinição e insegurança institucional. O desabastecimento de matérias-primas, insumos básicos e embalagens em decorrência da paralisação dos caminhoneiros afetou duramente a produção e o faturamento das empresas, sem mencionar o impacto na vida privada de cada cidadão que se viu sem combustível e alimentos, entre outras dificuldades.

Mas, chegou a hora da retomada do trabalho, de tentar reverter todas as mazelas que os últimos dias nos trouxeram e colher os frutos das justas reivindicações feitas e atendidas. Felizmente, os movimentos políticos que se infiltraram nessa paralisação dos caminhoneiros perderam sua força e agora temos que seguir em frente, com responsabilidade. 

O Sintex – Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário – lamenta que o retorno à normalidade das atividades econômicas, com o abastecimento e circulação de bens e mercadorias, tenha demorado tanto. Empreendemos diversos esforços para a celeridade dos atos necessários e agora – reforçamos – é preciso nos unir para irmos adiante e recuperar o que esses últimos dias nos tomaram. A fatura chegou e cada um pagará parte dela, infelizmente.

Destacamos que todas as indústrias têxteis que continuem a ser afetadas por movimentos de obstrução da livre circulação de bens e mercadorias devem se manifestar junto aos órgãos competentes para fazer valer a lei e as decisões judiciais vigentes. O Sintex está à disposição para orientar no que for necessário.

Continuamos em nossa luta para a competitividade das nossas indústrias, pelo combate à corrupção, pela redução dos impostos no Brasil, redução de gastos públicos e contra os benefícios exagerados para parte importante do setor público.

Precisamos de um Estado menor e mais competente, por isso, precisamos lutar e com as ferramentas e lideranças certas. Nada disso será possível se ficarmos parados. E lembrem-se: nossa melhor arma deve ser usada em outubro, nas próximas eleições.

José Altino Comper

Presidente do Sintex

Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário