Julgamento de Lula no TRF-4

Veículo: Estadão 

Seção: Política 

O ex-presidente Lula teve a condenação mantida pela 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) nesta quarta-feira, 24. Os três desembargadores votaram e seguiram a decisão do juiz Sérgio Moro, que já havia condenado Lula na primeira instância. Os magistrados ampliaram a pena do ex-presidente de 9 anos e seis meses para 12 anos e 1 mês e autorizaram a sua prisão após esgotados todos os recursos na 2ª instância.

O líder do MST, João Pedro Stédile, disse hoje em reunião do Diretório Nacional do PT que os movimentos populares não aceitarão a prisão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e impedirão que a Polícia Federal e ao Poder Judiciário o detenham, informam os repórteres Thaís Barcellos, André Ítalo Rocha e Vera Rosa.

Lula foi condenado ontem em segunda instância pelo caso do triplex do Guarujá e todos os desembargadores indicaram que a pena, de 12 anos e 1 mês, deve começar a valer assim que todos os recursos no tribunal sejam exauridos.

Conforme noticiou a Coluna do Estadão nesta quinta-feira, a cúpula da Polícia Federal já está pensando em qual seria a estratégia no caso de ter de prender o ex-presidente.

Stédile também afirmou que o povo já tinha escolhido o ex-presidente como candidato. "Lula é o candidato dos trabalhadores", afirmou. 

 O líder do MST ainda sugeriu que a Justiça está "atrás" de Lula porque sabe da chance dele voltar a ser presidente. "Eles foram didáticos em nos explicar que o Poder Judiciário tem lado: o da burguesia", acrescentou. 

O dirigente  também afirmou que serão feitas mobilizações em todo o País no dia em que está prevista a votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados para impedir a aprovação do projeto.