BC tem bônus com inflação abaixo da meta

Veículo: Valor 

Seção:  Casa das Caldeiras 

O IPCA-15 desacelerou a 2,78% em 12 meses encerrados em julho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada. Pelo quarto mês consecutivo a inflação brasileira ou sua prévia caiu abaixo da meta de 4,50%. Inflação abaixo da meta significa para os bancos centrais uma espécie de bônus porque autorizam as autoridades monetárias a manter o juro básico “atrás da curva” por um tempo, para que a atividade econômica tenha a oportunidade de respirar e engrenar uma retomada ainda que modesta. Foi exatamente isso o que aconteceu nos Estados Unidos após a crise financeira de 2008/2009. 

Incontáveis baterias de estímulos monetários foram disparadas e reduziram o juro a zero. No tempo, essa taxa acabou viabilizando a reação da atividade. A normalização da política monetária alardeada com imprudência pelo Federal Reserve repercutiu precocemente nas economias emergentes. Mais recentemente, o processo de normalização monetária teve início com a redução dos estímulos monetários e o aumento dos juros ainda que em escala incomparável aos praticados no passado recente. No Brasil, em que um inventário político interminável compromete personalidades de A a Z e aborta as perspectivas de crescimento, é improvável que o Banco Central seja criticado se permitir que a taxa Selic corra abaixo do “juro neutro” – por algum tempo – para que a economia tenha a chance de engrenar a segunda marcha.