Notícias

Pesquisa de Gestão de Clima identifica problemas e é o caminho para melhorias

Saber como seus funcionários se sentem é uma das melhores formas de buscar evolução e melhorias no ambiente de trabalho. Medir estatísticas e obter opiniões que ajudam no assunto e uma das maneiras mais comuns é através da pesquisa de Gestão de Clima. Na Brandili Têxtil, a prática é realizada há mais de dez anos e esse termômetro traz resultados positivos para os gestores, que continuamente buscam ações de melhorias.  “A pesquisa de clima aponta as percepções dos colaboradores e suas opiniões acerca de várias dimensões dentro da empresa. Ter conhecimento dessas informações e poder trabalharmos focando no que realmente faz as pessoas felizes nos ajuda a tornar a Brandili uma empresa melhor a cada dia”, comenta a coordenadora de Desenvolvimento Humano e Organizacional da Brandili, Jesiele Cristina Chaves Cabral Stanchak.

Neste ano, a pesquisa foi conduzida pelo Instituto Great Place to Work® e apontou que em relação ao respeito, que é avaliado através do apoio, colaboração e consideração, 72% dos colaboradores se consideram respeitados e valorizados pelos gestores. Já no quesito camaradagem, que é avaliada pelos aspectos de proximidade, hospitalidade e comunidade, buscando analisar a igualdade no ambiente de trabalho, um total de 72% dos funcionários percebem isso como positivo dentro da empresa. Para Adriane Raphaeli, do setor de Manufatura, o trabalho em equipe, o sentimento de que ninguém é melhor que ninguém e que todos podem e devem se sentir importantes, independente do setor ou cargo, torna o ambiente de trabalho melhor. “Na conversa e convívio do dia a dia todos se sentem importantes, porque todos têm livre acesso para falar, expressar o que estão sentindo. A Brandili sempre deixa claro que independentemente da posição ou cargo, todos têm a oportunidade de se expressar e apresentar sua sugestão de melhoria, buscando o crescimento coletivo e também da empresa”, explica.

Um dos valores da Brandili é o amplo respeito. Em todas as mesas e setores existe um guia chamado Jeito de Ser, que orienta os colaboradores sobre como tornar comum o uso desses valores. “Temos em nossas equipes estrangeiros, pessoas de diversas raças, credos, orientação sexual, deficientes e todas as pessoas se sentem acolhidas e tratadas de forma igualitária. Nossa pesquisa só vem reforçar o que sentimos no dia a dia”, finaliza Jesiele.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Brandili. 



Compartilhe:

<< Voltar