Camex deverá liberar entrada no Brasil de algodão com tarifa zero

Veículo: Valor Econômico
Seção: Agro

O Comitê Executivo de Gestão (Gecex), órgão vinculado à Câmara de Comércio Exterior (Camex), autorizou na quarta­feira a importação de até 75 mil toneladas de fibras de algodão, com tarifa zero, pelo período de fevereiro a julho próximo. A decisão, que só foi divulgada ontem pelo Itamaraty e ainda precisa ser validada pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), atende um pedido da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) que argumenta que a oferta da pluma no mercado interno está apertada em decorrência da quebra da última safra de algodão, a 2015/16.

O pedido de importação de algodão foi feito pela indústria em dezembro passado. Atualmente, a indústria paga uma Tarifa Externa Comum (TEC) de 6% para comprar o produto no exterior. Se a Camex confirmar a tarifa zero, a Abit estima que a medida fará o setor têxtil economizar de US$ 8 milhões a US$ 9 milhões. O Brasil importa algodão principalmente dos Estados Unidos. 

À época do pedido de importação com tarifa zero, a Abit argumentou que a colheita da "safrinha" de algodão deve começar em junho, mas até que a pluma comece a chegar ao mercado já beneficiada e classificada leva mais ou menos um mês. A intenção inicial da Abit era pedir uma cota para importação de 100 mil toneladas, mas após negociação com os produtores de algodão do país, o volume definido foi 75 mil toneladas. 

A oferta interna restrita de algodão decorre da quebra de produção da safra 2015/16, causada pelo atraso no plantio devido a chuvas e pela falta de umidade no período de desenvolvimento vegetativo das plantas. Segundo a Conab, o Brasil colheu 1,288 milhão de toneladas, 17,5% a menos do que na temporada anterior, devido principalmente à redução da produtividade das lavouras na Bahia.