Obama recebe nesta quinta-feira sucessor que quer rever seu legado

Veículo: Estadão 

Sessão: Internacional 

Com seu legado ameaçado por algumas das principais propostas de Donald Trump, Barack Obama receberá seu sucessor nesta quinta-feira, 10, na Casa Branca para iniciar o processo de transição. Democratas e republicanos abandonaram nesta quarta-feira, 9, o tom agressivo da campanha e defenderam a união do país em torno do presidente eleito.

“A transição pacífica de poder é uma das marcas de nossa democracia. E, ao longo dos próximos meses, nós vamos mostrar isso para o mundo”, afirmou Obama, que se empenhou firmemente na tentativa de eleger a sucessora. O fracasso nas urnas também foi percebido como uma derrota do atual líder que, paradoxalmente, tem a popularidade em alta.

Obama telefonou para Trump às 3h30 desta quarta-feira para cumprimentá-lo pela vitória e convidá-lo para estar nesta quinta-feira na Casa Branca. “Não é segredo para ninguém que o presidente eleito e eu temos diferenças significativas”, observou. Mas o presidente disse ter ficado entusiasmado com o tom da conversa com Trump e do discurso de vitória do republicano, no qual ele defendeu a união.

“É disso que nosso país precisa, um senso de união, um senso de inclusão, um respeito por nossas instituições, por nosso estilo de vida, pelo Estado de Direito e o respeito de uns aos outros”, declarou Obama, que disse esperar que esses princípios inspirem Trump.

“Todo mundo fica triste quando o seu lado perde uma eleição, mas, no dia seguinte, nós temos de lembrar que nós estamos todos no mesmo time”, disse Obama, que repetiu na campanha eleitoral que Trump era despreparado para ocupar a presidência e representava uma ameaça à democracia americana. “Nós não somos democratas em primeiro lugar, nós não somos republicanos em primeiro lugar, nós somos americanos em primeiro lugar. Nós somos patriotas em primeiro lugar.”