Após forte alta na véspera, Bovespa opera instável, de olho nos EUA

Veículo: G1

O principal índice da bolsa paulista oscilava entre leves altas e baixas nesta terça-feira (8), com investidores adotando alguma cautela no dia da eleição presidencial nos Estados Unidos, enquanto no front local os resultados corporativos seguiam no radar.

Às 14h28, o principal índice de ações da bolsa tinha alta de 0,69%, aos 64.494 pontos, acompanhando o movimento das bolsas dos Estados Unidos, que tentavam se firmar no azul. Veja a cotação.

"O pregão de hoje e, claro, os dos próximos dias tendem a responder ao resultado das urnas por lá", escreveram analistas da Coinvalores em nota a clientes. Localmente, operadores seguem avaliando os resultados e notícias corporativos.

Leia também:Quais os efeitos das eleições nos EUA para a economia do Brasil?

A ações da Petrobras operavam em leve alta, após os fortes ganhos da véspera, e com os preços do petróleo passando ao território negativo.

Vale liderava os ganhos da sessão, com avanço de mais de 3%.

A Qualicorp liderava as quedas do dia com baixa de mais de 4%, após divulgação de balanço apontando queda na base de beneficiários.

Alta de quase 4% na véspera
A Bovespa fechou com em forte alta nesta segunda-feira (7), em linha com os mercados globais, com investidores mais aliviados com as eleições presidenciais norte-americanas e a vantagem que a candidata democrata Hillary Clinton voltou a mostrar, segundo a agência Reuters.

O Ibovespa avançou 3,98%, a 64.051 pontos. Foi a maior alta diária desde 10 de maio (4,08%), segundo a Reuters, após o índice acumular perda de 5,1% nos três primeiros pregões de novembro em meio à preocupação com o cenário eleitoral nos EUA.