Dilma diz que 'não sobraria ninguém' no país por 'pedaladas fiscais'

Veículo: Folha de São Paulo

Seção: Poder 

omo reação à possibilidade de ser afastada temporariamente do cargo nesta semana pelo Senado Federal, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (9) que lutará com todos os instrumentos democráticos que detém para impedir a interrupção "ilegal" e "usurpadora" de seu mandato.

Em inauguração de novo terminal do Aeroporto Santa Genoveva, a petista voltou a chamar o grupo do vice-presidente Michel Temer de "golpista" e "usurpador" e disse que não sobraria nenhum gestor público no país caso fossem aplicados os mesmos critérios adotados contra ela em relação às chamadas "pedaladas fiscais".

Segundo ela, não há crime na assinatura dos decretos de créditos suplementares, que também foram assinados pelos seus antecessores Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso.

"Antes de mim, outros presidentes fizeram decretos iguais. O FHC fez trinta decretos, o Lula fez quatro e eu fiz seis. Houve algum problema anterior ao meu caso? Não houve", questionou. "Sobraria alguém neste país se aplicassem as regras aplicadas a mim para todos os gestores públicos? Não sobraria ninguém, porque não é crime, é golpe", acrescentou.

A petista disse ainda que os próprios autores do pedido de impeachment de seu mandato reconhecem que houve "desvio de poder" no processo do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ela lembrou de declaração do jurista Miguel Reale Júnior, segundo a qual o peemedebista acolheu o pedido em meio a uma "chantagem explícita".

"Eu vou lutar com todos os instrumentos que eu tenho, democráticos e legais, para impedir a interrupção ilegal e usurpadora do meu mandato por traidores, por pessoas que não têm condições de se apresentar ao país e de se eleger. Vou lutar porque o povo brasileiro merece respeito e consideração. A democracia, sem dúvida, é o lado certo da história e a história também julgará os golpistas e usurpadores", criticou.

A presidente disse ainda acreditar que a inflação terminará o ano "muito próxima da meta", "abaixo de 7%". "É verdade que a gente enfrenta desafios na economia, mas não esqueçam que estamos tendo os maiores saltos comerciais dos últimos anos", afirmou.

Em esforço para tirar do papel o máximo de iniciativas antes de seu eventual afastamento temporário do cargo a presidente participou de inauguração de novo terminal no aeroporto de Goiânia (GO). A estrutura, contudo, só entrará em operação assistida no dia 21 de maio, após homologação pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Como tem sido recorrente em eventos promovidos pelo Palácio do Planalto, a cerimônia foi transformada em palanque contrário ao impeachment, com discursos contra o afastamento da petista e gritos da plateia de "não vai ter golpe".

Em discurso, o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, chamou o impeachment de um "golpe contra a democracia" e disse que a petista é uma mulher que "nunca fugiu da luta e sempre enfrentou desafios de cabeça erguida".

"A vida é assim: nós vencemos um desafio e outros aparecem. A senhora é um exemplo para nós, porque a senhora continua lutando", elogiou.