Brasil se torna 2º maior mercado para a indústria têxtil do Peru

Veículo: A Critica 

Seção: Editorias 

Perú Moda 2016 recebeu 40 empresários brasileiros e gerou US$ 80 milhões em negócios
País vizinho quer atrair turistas brasileiros para destinos como Arequipa e Puno, onde a produção do algodão e da alpaca está na mão de pequenos artesãos
País vizinho quer atrair turistas brasileiros para destinos como Arequipa e Puno, onde a produção do algodão e da alpaca está na mão de pequenos artesãos / Divulgação
Quem visita o Peru costuma reservar um dinheiro para curtir os incríveis ceviches e o famoso pisco sour, mas o país está abrindo outras atrações para incentivar os brasileiros: roupas sofisticadas feitas com fibra de alpaca. Não é à toa que a feira Peru Moda 2016 tenha colocado no roteiro dos visitantes as cidades de Arequipa e Puno, que concentram, a 4 mil metros de altitude, os pequenos produtores da região.

Para a indústria têxtil peruana o Brasil já é referência, tendo alcançado os 2º lugar na compra de seu algodão, com 13% das importações, atrás apenas dos Estados Unidos, que representam 40% da importação de fibras têxteis do páis.

Segundo a ministra Magali Silvia Velarde–Alverz, das Relações Exteriores, a PROMPERU – Promoção do Peru para Exportação e Turismo investiu em uma série de ações para criar uma indústria de moda em torno da alpaca. O Peru concentra 80% da produção da fibra, e a indústria têxtil é responsável por 2% do PIB do país.
Entre 2014 e 2015 a balança comercial entre ambos registrou aumento de 16,2% nas exportações do setor, atingindo a marca de US$ 8,3 milhões. Assim o Brasil se torna o segunfo maior mercado para os produtores peruanos, à frente dos vizinhos Equador e Colômbia. E para o brasileiro comum, os têxteis peruanos entram definitivamente na cesta dos produtos turísticos do país.

Considerado hoje um dos principais eventos do setor têxtil da América Latina, o Perú Moda y Perý Gift Show 2015 reuniu na capital Lima produtores locais e empresários interessados em fazer negócios com os fabricantes peruanos. A organização informou que participaram do evento 1500 convidados internacionais de 54 países, 300 stands, 14 mil visitantes e negócios girando na casa dos US$ 80 milhões durante os dias de evento.

Negócios

O evento é uma vitrine para acompanhar a evolução da indústria da moda peruana e levantar quais as oportunidades que o intercâmbio com o Peru pode proporcionar para as empresas brasileiras. Reconhecida pela excelência de seus produtos, a indústria têxtil do Peru exporta para o mercado internacional vestuário manufaturado em algodão e alpaca em suas diferentes misturas.

A tradição têxtil peruana se mantem a 5 mil anos, gerações de especialistas no produto final “Made in Peru”, apreciado nos mercados estrangeiros. A matéria-prima é um dos diferenciais: inclui os aclamados algodões do tipo Tangüis e Pima (variedades de alta qualidade), a lã de alpaca e fibras de vicunha. Na área da manufatura, o Peru tem investido em tecnologia de ponta, tornando seu algodão famoso mundialmente.

Matéria-prima

As vastas áreas cultivadas e o cuidado especial ao longo do processo de produção fazem do algodão peruano ser um produto admirado em todo o mundo. Destacam-se a variedade Pima, caracterizada pela sua incrível suavidade e por ter uma das fibras mais longas e mais finas do mundo, o que proporciona excelente caimento, além de brilho e frescor ao tecido. Outro tipo consagrado é o Tangüis, também algodão de fibra longa, que possui grande capacidade de clareamento e coloração, o que o torna muito procurado por grifes de vestuário de todo o mundo.

Os incas consideravam a lã da alpaca a vestimenta dos deuses. Nos tempos das culturas pré-colombianas, a fibra obtida a partir desse animal era a principal matéria-prima para a fabricação de roupas. E hoje, ela continua tendo sua importância. Mais de 80% da produção de alpaca é concentrada no Peru, e ela compete nos mercados internacionais com fibras requintadas, como cashmere e mohair. Além de sua excepcional qualidade, a alpaca distingue-se pela versatilidade e pelo alcance de cores, sendo disponível em dez tons naturais de branco, cinza, marrom, bege e preto.

A cadeia produtiva começa com a reprodução e criação dos animais vivos, cujas fibras são recolhidas e comercializadas para a indústria ou artesanato, na forma de fio ou malha. O Peru desenvolve programas especializados para incentivar os criadores de alpaca, com foco na captação, melhoria genética e seleção de fibra. Em conjunto com a tradição passada de geração a geração, essas técnicas modernas garantem a qualidade de padrão internacional.

Responsabilidade social e tradição

Outro fator que torna a indústria têxtil peruana singular é o compromisso com a comunidade, o que tem possibilitado ao país atingir os padrões de responsabilidade social exigidos por lei em muitos mercados. Preservar a herança cultural das civilizações pré-colombianas é um dos direcionamentos da moderna indústria têxtil do Peru. Por isso, a influência dos povos ancestrais que viveram na região está presente no desenvolvimento de novos produtos.