Agora, o tempo é das malhas

Veículo: The Telegraph 

Seção: Notícias 

Se o estampado integral começou por causar algum incómodo à comunidade da moda, hoje é aceite como um membro legítimo. Ao lado dele, os jogos de padrões, que passaram de banidos a exclusivos dos amantes de moda. O couro, e até mesmo o latex, também é aceite em look total. Agora, o tempo é das malhas. Com a camisola, que se foi estendendo até ao joelho, veio o vestido, também longo e, depois dele, os conjuntos top e saia lápis – a malha em look total é uma tendência com pés e cabeça.

Ainda não há muito tempo, este estilo teria sido considerado de máxima deselegância, mas, atualmente, as malhas estão no centro de atenções de designers e marcas e, por isso mesmo, são muito mais do que uma simples camisola.

Provavelmente motivado pelo revivalismo dos anos 1990, o regresso dos cardigans (ver O homem que vem deu o mundo) marca também a imposição das malhas como merecedoras de um look total, seja ele composto por um vestido em extensão, por um conjunto de top e saia ou de túnica e calças. E, para aqueles que encontram entraves no calor, volume e, até, no desconforto da malha em contacto direto com a pele, o The Telegraph deixa uma importante adenda: a tecnologia há muito que participa deste processo e as peças são cada vez mais usáveis a solo.

Podem ser feitas coisas surpreendentes com o recurso à máquina, basta para isso citar o desfile de Stella McCartney para a estação quente que se avizinha. Os conjuntos de polo de malha e saia pelo tornozelo propostos pela designer para a primavera-verão 2016 mostram quão leve pode ser o material.

A atualização da herança de 250 anos da marca britânica John Smedley também é prova viva de que as malhas estão em mudança. Na última edição da Semana de Moda de Londres, no mês passado, a marca apresentou a sua gama de moda contemporânea mais recente para a próxima estação fria e incluiu túnicas em tom vinho e peças em sobreposição, para um efeito luxuoso e, ainda assim, tranquilo.

A par da tendência anos 1990, talvez também o sucesso do loungewear tenha contribuído para o renovado amor pelas peças aconchegantes (ver Sentir-se em casa). O sucesso das vendas de peças inferiores de corrida em caxemira levou, provavelmente, os retalhistas a pensarem sobre quão lucrativo poderia ser se incluíssem várias peças de vestuário naquela trajetória vencedora e, como resultado, hoje os consumidores dispõem de uma panóplia de artigos e silhuetas em malha – para o verão e para o inverno.