Recessão se estende e ameaça o país

Veículo: Valor Econômico. 

Seção: Brasil 

A queda do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, de 3,8%, anunciada ontem pelo IBGE, foi de uma magnitude nunca vista desde 1990. Mais grave do que a queda é o fato de que a dinâmica da atual recessão tem aspectos perversos que tendem a tornar mais demorada a retomada do crescimento. O recuo da atividade já se arrasta praticamente por sete trimestres, com uma redução recorde, para 14%, no investimento, o que promove a destruição do estoque de capital e deixa marcas profundas na cadeia produtiva. Isso significa que um grande número de empresas, principalmente as menores, fornecedoras das grandes, podem sucumbir por causa do longo período sem encomendas. Sem elas, a volta do crescimento será mais lenta.

Projeções colhidas pelo Valor Data mostram a tendência de o quadro negativo persistir em 2016, o que resultaria em inédita retração de mais de 7% no biênio. Só uma vez desde 1900, na Grande Depressão dos anos 30, houve dois anos consecutivos de recessão (veja gráfico). O resultado de 2015 deixa uma herança estatística negativa de cerca de 2,5% para este ano.

Ao ajuste natural que estava previsto para o ciclo econômico que o país atravessava, antes baseado no consumo das famílias, somaram­se o cenário político extremamente adverso e as consequências da Operação Lava­Jato. Nas contas de duas consultorias, este último evento retirou cerca de dois pontos percentuais do PIB em 2015 e pode tirar mais um ponto neste ano. 

O cenário político dificultou o ajuste proposto pelo governo no ano passado, fator que complica 2016. Em 2015, o consumo do governo caiu 1%, enquanto o das famílias teve retração de 4%. Para alguns economistas, as limitações no ajuste do setor público impuseram uma conta mais pesada ao setor privado. O mercado de trabalho e a renda começaram a sentir os efeitos da crise de maneira mais clara em meados do último semestre e o pior momento, acreditam os especialistas, ainda está por vir. A renda per capita caiu 5,4% nos últimos dois anos.