Economistas reduzem projeção para juros e veem inflação maior em 2016

Veículo: Folha de S. Paulo

Seção: Mercado

Economistas consultados pelo Banco Central reduziram para 14,64% a projeção para a taxa básica de juros (Selic) ao final deste ano. Na semana passada, a projeção era de 15,25%.

A projeção do mercado para a inflação deste ano, medida pelo IPCA, aumentou para 7,23%, contra previsão de 7% na semana anterior. Os economistas também revisaram para baixo a expectativa de PIB (Produto Interno Bruto) para 2017, para 0,80%, ante 1% uma semana antes.

As estimativas constam da Focus, pesquisa realizada entre economistas e instituições financeiras e divulgada semanalmente pelo Banco Central.

A queda nas estimativas do mercado para a Selic ocorre após o Banco Central ter surpreendido o mercado na quarta-feira (20) e mantido a taxa básica em 14,25% ao ano. A maior parte dos analistas aguardava um aumento da taxa na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC da semana passada.

Agora, os economistas veem a Selic em 12,75% ao fim de 2017, contra uma expectativa de 12,88% na semana passada.

Para 2017, a projeção do mercado para a inflação subiu de 5,40% para 5,65% em uma semana.

Em 2015, o IPCA encerrou com alta de 10,67%, bem acima do teto da meta do governo, de 6,5%.

Foi a maior escalada do IPCA desde 2002, quando foi de 12,53% em meio às incertezas do mercado financeiro sobre como seria um futuro primeiro governo do PT.

Na Focus, a projeção de queda do PIB para este ano passou para 3%, de 2,99% no boletim da semana anterior.

Para a taxa de câmbio, a estimativa é de que o dólar termine 2016 em R$ 4,30, ante R$ 4,25 na semana anterior.

As projeções para o final de 2017 é de que o dólar esteja cotado a R$ 4,40 - na semana passada, economistas esperavam R$ 4,30.