O Futuro do Vestuário é ser um Ecossistema

Veículo: O Negócio no Varejo

Seção: Notícias

Under Armour, a marca de artigos esportivos mais badalada dos EUA, quer fazer parte da vida dos clientes em vários pontos de contato.

PARA KEVIN PLANK, FUNDADOR DA UNDER ARMOUR, EMPRESAS QUE APENAS VENDEM PRODUTOS ESTÃO COM OS DIAS CONTADOS

Uma empresa que virou uma startup de tecnologia e colocou uma série de aplicativos como o hub de relacionamento com seus clientes para obter mais informações sobre eles, desenvolver produtos de forma mais assertiva e, com isso, vender mais. Em poucas linhas, esse é o resumo da mudança estratégica da Under Armour nos últimos três anos.

O case da segunda maior empresa de artigos esportivos dos Estados Unidos foi apresentado pelo próprio fundador e CEO, Kevin Plank, em uma das keynote sessions da NRF 2016. Com um crescimento médio de 30% nas vendas nos últimos 10 anos, a Under Armour ganhou fama como “a marca do azarão”, daquele que, à custa de muita determinação e esforço, consegue obter sucesso. E, para competir com a Nike, o azarão vem investindo pesado no digital.

“As vendas mobile representaram 28% de nosso e-commerce no Natal passado, contra 13% em 2013. É um caminho sem volta e as marcas que ganharão espaço são aquelas que sabem como trabalhar online e offline ao mesmo tempo”, comenta Plank. Para explorar ao máximo aos possibilidades do digital, a Under Armour criou o conceito de “connected fitness”, em que integra diversas ações para engajar os clientes e fazer com que eles registrem suas atividades nos apps da marca.

Muito do sucesso atual da Under Armour pode ser atribuído ao ecossistema que ela construiu para dar suporte ao “connected fitness”: nos últimos dois anos, a empresa desenvolveu produtos, conteúdo e experiências que vão além de uma relação transacional e permitem que a marca faça parte da vida dos clientes de uma forma não-invasiva.

Nos últimos dois anos, a Under Armour investiu US$ 700 milhões em aquisições e no desenvolvimento de aplicativos para celular. A compra de MapMyFitness, Endomondo e MyFitnessPal e o desenvolvimento do UA Record como o sistema que abraça esses apps fez com que a marca passasse a ter mais de 160 milhões de pessoas se relacionando continuamente com ela, utilizando o conteúdo sobre fitness e nutrição produzido por ela e conseguindo dados comportamentais desse imenso público.

“Queremos ajudar nossos clientes a tomar conta de sua saúde, mas no fim de tudo também queremos vender mais camisetas e calçados”, explica Plank. “O futuro está na comunidade, em fazer parte da vida dos clientes em vários pontos de contato. Isso porque marcas não são feitas de produtos, e sim de ideias, significados, inspiração e aspiração. Nosso trabalho é criar esses significados”, afirma o executivo.

Com esse posicionamento e a criação de um ecossistema digital, a marca quer se tornar relevante não apenas como fornecedora de produtos, mas como uma parceira dos clientes em diversos aspectos de suas vidas, ajudando-os a desenvolver um estilo de vida que tem tudo a ver com o jeito de ser da Under Armour.