E a economia, vai bem? - Confeccionista

Veículo: All Lingerie

Seção: Notícias

Enquanto na economia brasileira está tudo sobre controle, de acordo com a presidenta, mais uma marca de moda encerra suas atividades no Brasil. A Têca, da estilista Helô Rocha (da família Riachuelo) anunciou nesta semana que deixaria de existir.

Famosa por desfilar na São Paulo Fashion Week e vestir muitas celebridades, as operações da empresa serão encerradas nesta sexta-feira, 31.08, com o fechamento de sua loja localizada no bairro dos Jardins, em São Paulo.

A partir de então, a designer se concentra em projetos mais específicos, como o desenvolvimento de vestidos de festa e noivas em um novo ateliê. Com comunicado bem humorado sobre o fechamento (simulando um velório), Helô Rocha não falou sobre os reais motivos do fim da Têca, mas verdade seja dita: marca que vai bem, não acaba, certo?

“Estou apavorado. O setor de confecção não dura mais do que oito anos no Brasil”, afirmou Ronald Masijah, sócio-diretor da Darling, ao Diário do Comércio. De acordo com levantamento do Sindivestuário, 500 confecções fecharam as portas neste ano no país, sendo 150 delas do estado de São Paulo.

Recentemente anunciado, o novo aumento de juros para combater a inflação, na visão de Alfredo Bonduki, presidente do Sinditêxtil-SP, é inútil. “Os juros altos são um remédio inútil contra a inflação, inclusive por que os principais causadores desta são os preços administrados. Além disso, a Selic elevada contribui para o enfraquecimento da economia nacional. Outros fatores agravantes são os impostos demasiadamente onerosos, inclusive incidentes sobre investimentos e folha de pagamentos; os fretes, cada vez mais atrasados e caros, majorados pela precariedade dos transportes e a burocracia exacerbada. Precisamos definir estratégias de longo prazo, desonerar efetivamente a produção, remover o controle artificial da inflação e oferecer ao mercado um cenário claro e transparente para estimular os investimentos produtivos”, enfatiza.

É hora de planejar cautelosamente as próximas estratégias de quem é confeccionista.

por: Marcela Leone