Corretores projetam que dólar deve chegar a R$ 4 até o final do ano

Veículo: Folha de S. Paulo

Seção: Mercado

Corretores e especialistas em câmbio acreditam que o dólar possa chegar a R$ 4 até o final do ano, se não ocorrer uma melhora na economia e uma trégua na crise política. Só nesse cenário os investimentos estrangeiros voltariam ao país, provocando uma apreciação do real.

Reportagem da Folha publicada nesta segunda-feira (3) mostra que a moeda americana era vendida pelo câmbio turismo entre R$ 3,51 e R$ 3,70.

No radar dos investidores há mais notícias ruins esperadas do que boas: rebaixamento da nota de crédito do país, desaprovação das contas públicas, manifestações contra o governo e enfraquecimento do ministro Joaquim Levy (Fazenda).

Para segurar a taxa de câmbio, que impacta a inflação, o BC (Banco Central) tem dois instrumentos: elevar ainda mais os juros ou intervir vendendo dólar das reservas internacionais ou títulos que rendam o risco cambial.

Os juros chegaram ao máximo, segundo comunicado do BC. Autoridades do governo disseram que descartam se desfazer das reservas. Finalmente, o BC tem mantido a redução na oferta de títulos que pagam o risco cambial.

Segundo Fabio Colombo, administrador de investimentos, a evolução do dólar dependerá ainda das consequências do aumento dos juros nos Estados Unidos para o restante do mundo. Nos últimos meses, houve uma previsão catastrofista de desvalorização das moedas emergentes que não se confirmou.

Ignácio Rey, economista da Guide Investimentos, vai na contramão e acha que o dólar tem um espaço limitado para subir. "Não estamos livres de uma piora da crise política, mas não tenho uma projeção tão desfavorável. Vejo a taxa de câmbio entre R$ 3,35 e R$ 3,40 ainda que possa haver alguns momentos tensos."