Notícias

POLIÉSTER x POLIAMIDA: Conheça as diferenças e suas características físico-químicas na área de tecidos técnicos

Veículo: Textile Industry

Seção: Economia

A Honeywell prioriza a utilização de poliéster na fabricação de seus equipamentos para trabalho em altura em virtude das inúmeras vantagens que essas fibras têm sobre a poliamida (comumente conhecida como Nylon):

Maior versatilidade: As fitas de poliéster possuem um maior número de aplicações em detrimento da poliamida;

A fita de poliéster proporciona alto de grau conforto aliado a maior durabilidade;
Fornecido em uma ampla gama de cores;
A Honeywell definiu o poliéster como matéria-prima base para confecção de seus produtos a fim de evitar possíveis dúvidas técnicas referentes às diferentes propriedades dos materiais existentes no mercado;
Maior resistência química frente a compostos ácidos, compostos clorados e oxidantes;
Maior aplicabilidade em nosso mercado em função do custo-benefício do material;

A fita de poliéster é fabricada com fiação virgem, de alta tenacidade, alta resistência, flexível e resistente à abrasão. Pode ser lavado e seco rapidamente, resiste a mofo e radiação ultravioleta. Quando armazenado de forma apropriada, o material apresenta maior durabilidade .

Características do poliéster:

Resistente ao encolhimento, alongamento e outras deformações;
Resistente a maioria dos ácidos e produtos clorados;
Resistente a branqueadores e agentes oxidantes;
Baixa absorção de água;
Tolera altas temperaturas (até 180F ou 82˚C)

 Vantagens do poliéster sobre a poliamida:

Maior resistência mecânica;
Mantém sua performance mesmo quando exposto a água sanitária, outros agentes oxidantes e alguns ácidos (veja tabela anexa);
Não perde suas propriedades quando exposto à umidade;
Não deforma-se mesmo quando submetido a uma carga contínua;
Mantém sua resistência química e mecânica mesmo quando submetido a temperaturas elevadas.

Vale notar que existem diversas variações das fibras citadas e novas são continuamente introduzidas no mercado.
As normativas técnicas brasileiras de EPI para trabalho em altura proíbem a utilização da matéria-prima polipropileno e limitam a tenacidade mínima das fibras em 0,6 N/tex.
Em caso de dúvidas, entre em contato conosco!



Compartilhe:

<< Voltar