Expectativa de inflação na zona do euro segue modesta, diz BCE

 

Veículo: Valor Econômico

Seção: Economia
 
Hannelore Foerster/Bloomberg

SÃO PAULO  -  A inflação na zona do euro deve seguir muito baixa no restante deste ano e acelerar apenas gradualmente nos próximos dois anos, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira pelo Banco Central Europeu (BCE). De acordo com o levantamento trimestral, a expectativa dos especialistas ouvidos é de que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) avance apenas 0,5% neste ano, abaixo da previsão de alta de 0,7% de agosto.

Para o próximo ano, a inflação deve ficar em 1%, chegando a 1,4% em 2016. Todas as previsões estão, portanto, abaixo da meta do BCE, de quase 2% no médio prazo. No horizonte de cinco anos, o índice deve chegar mais perto da meta, em 1,8%. Antes, a previsão era de 1,9%.

Em outubro, a inflação anual na zona do euro ficou em 0,4%, perto da mínima em cinco anos. O BCE já anunciou várias medidas para combater esse cenário, mas muitos analistas dizem que esses passos ainda não são o suficiente para fazer a inflação caminhar para 2%. Segundo eles, o BCE terá de ampliar suas compras de ativos, em uma política conhecida como afrouxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês).

Os pesquisadores ouvidos pelo Banco Central Europeu reduziram também suas projeções de crescimento da economia para os próximos dois anos. Os economistas esperam que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro avance 1,2% no próximo ano e 1,5% em 2016, menos que em setembro. Para este ano, a previsão é de alta de 0,8% no PIB, abaixo do 1% esperado em setembro.