Notícias

Imagem de governo: o peso da economia

Veículo: Valor Econômcio

Seção: Economia

(Atualizada em 27/8 para incluir o título da segunda parte) Um governo pode adotar boas políticas na área social e receber o devido reconhecimento, mas, se falhar na área econômica, especialmente na gestão macroeconômica, será sempre percebido como um mau governo. Dois exemplos recentes na história do país mostram que não basta ter boas políticas: para ser bem avaliada, uma administração precisa ter a casa em ordem, com inflação baixa, crescimento razoável e, de preferência, uma taxa de câmbio comportada.

O presidente Fernando Henrique Cardoso entrou na campanha da reeleição, em 1998, com 38% de popularidade (soma de bom e ótimo na avaliação do governo). Chegou à véspera do primeiro turno, depois de mais de um mês de horário eleitoral gratuito na televisão, com 43%. Foi o suficiente para vencer a disputa no primeiro turno.

O Brasil se envolveu numa crise econômica antes mesmo do término da eleição naquele ano, mas, com a ajuda do Fundo Monetário Internacional, manteve a estabilidade, o que certamente ajudou Fernando Henrique a derrotar seus adversários. No primeiro mês do novo mandato, porém, o regime de câmbio quase-fixo mostrou-se insustentável e a moeda sofreu uma maxidesvalorização.

Dilma, como FHC, paga o preço do desempenho ruim na economia

Depois daquele evento, o presidente viu sua popularidade cair abaixo de 20% e jamais se recuperar. Melhorou um pouco quando o governo controlou a inflação - que saltara de 1,65% em 1998 para 8,94% em 1999 - e acelerou o crescimento. Em 2001, veio o apagão de energia e, em 2002, durante a campanha eleitoral, uma nova depreciação da taxa de câmbio, a aceleração da inflação e a queda do PIB. FHC perdeu popularidade e, mesmo tendo liderado o Plano Real e promovido uma série de reformas econômicas, ficou marcado.

Foi justamente no segundo mandato que o presidente mais investiu na área social. Criou, por exemplo, os programas de transferência de renda que, mais tarde, foram unificados no celebrado Bolsa Família. Falou-se em "maldição do segundo mandato" e que tal, mas o que derrubou mesmo a popularidade do presidente foram a perda súbita de valor do real e suas consequências sobre a economia.

A presidente Dilma Rousseff parece padecer do mesmo mal. Sua gestão consagrou programas sociais importantes, como o Minha Casa, Minha Vida e o Pronatec, mas derrapou na economia. Seu mandato será lembrado como um período de inflação alta (e represada), baixíssimo crescimento (média anual de 1,7%, considerando hipótese otimista para 2014), deterioração e desorganização das contas públicas, aumento da vulnerabilidade externa, quebra de confiança dos agentes.

É verdade: a taxa de desemprego é a menor da história, mas ela é fruto de uma política que superestimula o consumo e deprime o investimento e que, portanto, provoca desequilíbrios cuja correção forçará demissões. Assim como FHC, Dilma entrou no horário eleitoral gratuito com 38% de uma popularidade que já esteve em 65%. Neste momento, caminha, segundo as pesquisas, para perder a eleição no 2º turno.

Lula assumiu o país em meio a uma crise real - a economia estava à beira de um calote na dívida externa - e a uma enorme crise de confiança, gerada a partir das expectativas negativas dos setores produtivo e financeiro em relação à sua gestão. Sem tergiversar, enfrentou a turbulência sem gradualismos. Aplicou um choque, derrubou a inflação e conquistou a confiança de empresários e consumidores. Nos anos seguintes, por causa disso, viu o desemprego cair aos menores níveis da história.

No primeiro mandato, a popularidade de Lula variou sempre na faixa entre 40% e 45%, os mesmos níveis de FHC em igual período, e só minguou quando eclodiu o escândalo do mensalão, em meados de 2005. A aprovação caiu para 25% em dezembro daquele ano, mas, nos meses seguintes, com a inflação comportada - em 2006, o Brasil registrou a segunda menor inflação dos 20 anos de Plano Real (3,14%) - e a economia acelerando o passo, Lula se recuperou e chegou ao horário eleitoral com os mesmos 38% de FHC e Dilma; a diferença é que, na véspera da eleição, elevou-a para 47%, percentual insuficiente, todavia, para vencer o pleito no primeiro turno.

___________________________________________________________

"É muita gente que fica pelo caminho"

Ao receber o prêmio de empresa do ano no " Valor 1000 ", Rodrigo Galindo, presidente da Kroton, o maior grupo educacional do país, pôs o dedo na ferida: dos 100 estudantes que entram no ensino fundamental, 90 concluem esse nível. Há uma tragédia visível no degrau seguinte: desses 90, 75 entram no ensino médio e apenas 57 o concluem. Dos 57, somente 14 ingressam no ensino superior e apenas sete se diplomam.

"É muita gente que fica pelo caminho", diz Galindo. "A taxa de penetração líquida de alunos entre 18 e 24 anos no ensino superior é de apenas 15%, uma das mais baixas da América Latina e a segunda mais baixa entre 36 países pesquisados pela OCDE."

Galindo elogia os programas federais que, nos últimos anos, fortaleceram o ensino técnico - como o Pronatec, que está formando mais de sete milhões de jovens - e o ensino superior. Ele exalta programas como o Prouni, que concede bolsas a estudantes carentes, e o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que ajuda o estudante a financiar os estudos superiores. "Há estudos que mostram que um aluno em uma universidade pública custa entre sete e dez vezes mais que um aluno da rede privada, portanto, apoiar o financiamento de alunos em boas escolas privadas parece ser a maneira mais eficiente de aumentar a população graduada no país."

O Fies foi criado por uma lei aprovada por FHC em 2001 e que, depois, foi objeto de aperfeiçoamento nas gestões Lula e Dilma. Como se sabe, a rede pública de universidades não tem como atender a demanda de ensino superior existente no país. O jeito é contar com a rede privada, que, por causa dos incentivos criados pelo governo, está se expandindo rapidamente.

O cuidado necessário é exigir qualidade para conceder o benefício - no caso da Kroton, o grupo alcançou, segundo Galindo, 80% de conceitos satisfatórios no Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), um ponto percentual abaixo da avaliação média das instituições públicas e 12 pontos acima da média das particulares.

 



Compartilhe:

<< Voltar