Importações de roupa a mil - EUA

 

Veículo: textile Industry

Seção: Têxtil

Um aumento nas importações de vestuário dos EUA em janeiro, sugere que os retalhistas estão otimistas no início do ano, com os ganhos a superarem as importações do conjunto de todos os bens e serviços durante o mês. O Vietname está em destaque como fornecedor com maior crescimento. 

dummy
Importações de roupa a mil

Os dados do Office of Textiles and Apparel (OTEXA), que pertence ao Departamento do Comércio americano, mostram que o volume das importações de vestuário em janeiro foi 3,4% maior em termos anuais, atingindo os 2,14 mil milhões de metros quadrados equivalentes (mqe). Este número contrasta com os 2,07 mil milhões de mqe importados em janeiro de 2013 e é 16,9% maior do que o registado em dezembro. Os números também ultrapassam o aumento anual de 1,2% nas importações de bens e serviços para os EUA em janeiro.

Foram registados em janeiro ganhos para os três maiores fornecedores de vestuário dos EUA. As importações da China subiram 5,5% para os 919 milhões de mqe, as importações do Vietname subiram 11,6% para os 238 milhões de mqe e as do Bangladesh subiram 2,8% para os 166 milhões de mqe.

O Vietname tem vindo a ganhar importância no mercado americano na sequência da diversificação das cadeias de aprovisionamento por parte dos produtores. O sector de vestuário vietnamita está também a ser impulsionado pelos benefícios esperados da proposta de Parceria Trans-Pacífico (TPP), um acordo de comércio que inclui o Canadá e os EUA. O Vietname é o segundo maior fornecedor de vestuário para os EUA e foi o que registou o mais rápido crescimento no último ano.

As marcas e retalhistas dos EUA parecem manter-se ao lado do Bangladesh, apesar dos receios com as questões de segurança nas fábricas, greves generalizadas e interrupções da produção em todo o país, à medida que é negociado um aumento salarial para os trabalhadores de vestuário.

Outros países que em janeiro registaram um aumento das exportações para os EUA incluem as Honduras (subida de 6,8% para os 59 milhões de mqe), México (subida de 1,4% para os 71 milhões de mqe), Índia (subida de 7,5% para os 82 milhões de mqe) e Paquistão (subida de 11,3% para os 57 milhões de mqe).

A Índia poderá ter beneficiado das encomendas desviadas da China e do Bangladesh, segundo alguns analistas, bem como com a recuperação da economia americana. Por outro lado, as exportações do Paquistão têm sido ajudadas por uma melhor disponibilidade de fios e tecidos, resultado de melhorias no fornecimento de energia para a indústria têxtil do país.

Entretanto foram registados declínios nas exportações da Indonésia (descida de 4,3 % para os 124 milhões de mqe), Camboja (descida de 9,05% para os 83 milhões de mqe) e El Salvador (descida de 1,9% para os 43 milhões de mqe).

A Indonésia poderá ter perdido alguns negócios para o Vietname, resultado da agitação de núcleos de trabalhadores, apoiantes sindicais cada vez mais militantes, bem como da introdução de um aumento de 44% no salário mínimo no início de 2013, ficando cifrado nos 229 dólares. Por sua vez, a queda nas importações de vestuário dos EUA provenientes do Camboja poderá ter resultados das preocupações com as más condições laborais e a agitação industrial provocada pelas baixas remunerações.

Em termos de valor, as importações de vestuário subiram 3,3% para os 6,84 mil milhões de dólares em janeiro, com os ganhos liderados pela China (subida de 3,9% para os 2,6 mil milhões de dólares), Vietname (subida de 16,2% para os 785 mil milhões de dólares) e Bangladesh (subida de 3,8% para os 482 mil milhões de dólares).

No geral, as importações totais de têxteis e vestuário para os EUA cresceram 9,3% em termos anuais em janeiro para os 5,04 mil milhões de mqe. Dentro deste total, as importações de têxteis cresceram 14,0% durante o mês, atingindo os 2,9 mil milhões de mqe.