Inflação foi de 0,69% em fevereiro e 5,68% em 12 meses

Alta dos preços voltou a acelerar em fevereiro para 0,69% e levou o acumulado dos últimos 12 meses para 5,68%

Fonte: Portal Exame

Seção: Economia

Supermercado no Rio de janeiro

 

Supermercado no Rio de janeiro: inflação continua acima do centro da meta

 

São Paulo - O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de fevereiro foi de 0,69%, acima dos 0,55% de janeiro e praticamente igual aos 0,60% de fevereiro do ano passado.

Com isso, a inflação acumulada dos últimos 12 meses ficou em 5,68% - acima do centro da meta do governo, de 4,5%, mas ainda abaixo do teto, de 6,5%.

Dos nove grupos pesquisados, cinco tiveram alta.

Por causa do reajuste das mensalidades dos colégios, o maior aumento foi, de longe, no setor de educação: 5,97%, com impacto de 0,27 ponto percentual no índice final. 

A alta no setor de artigos de residência também acelerou, de 0,49% em janeiro para 1,07% em fevereiro. Subiram eletrodomésticos (1,78%), mobiliário (1,20%) e cama, mesa e banho (1,33%), entre outros.

A pressão dos itens aluguel (1,20%) e condomínio (0,80%) ajudou a empurrar para 0,77% a inflação do setor de habitação. 

A alta dos alimentos desacelerou de 0,84% em janeiro para 0,56% em fevereiro. Pela importância da categoria, foi o segundo maior impacto: 0,14 ponto percentual.

Apesar de uma alta de 1,40% no item empregados domésticos, as despesas pessoais também desaceleraram: de 1,72% em janeiro para 0,69% em fevereiro.

Vestuário e transportes tiveram queda de preços ainda maiores do que em janeiro - de 0,40% e 0,05%, respectivamente. A queda de 20,55% nas passagens aéreas foi uma das responsáveis.

Grupo Variação (%) janeiro Variação (%) fevereiro
Índice geral 0,55% 0,69%
Alimentação e bebidas 0,84% 0,56%
Habitação 0,55% 0,77%
Artigos de residência 0,49% 1,07%
Vestuário -0,15% -0,40%
Transportes -0,03% -0,05%
Saúde e cuidados pessoais 0,48% 0,74%
Despesas pessoais 1,72% 0,69%
Educação 0,57% 5,97%
Comunicação 0,03% 0,14%

 

Grupo Impacto (p.p.)janeiro Impacto (p.p) fevereiro
Índice geral 0,55 0,69
Alimentação e bebidas 0,21 0,14
Habitação 0,08 0,11
Artigos de residência 0,02 0,05
Vestuário -0,01 -0,03
Transportes -0,01 -0,01
Saúde e cuidados pessoais 0,05 0,08
Despesas pessoais 0,18 0,07
Educação 0,03 0,27
Comunicação 0,00 0,01

Entre os alimentos, houve queda nos preços da batata inglesa (-9%), feijão carioca (-4,4%) e leite longa vida (-3,6%). 

Já os problemas climáticos impulsionaram a alta do açaí (11,6%), hortaliças e verduras (11,4%) e do tomate (10,7%).

Calculado pelo IBGE desde 1980, o IPCA se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos. 

10 regiões metropolitanas do país são contempladas pela pesquisa, além de Brasília e os municípios de Goiânia e Campo Grande. 

O cálculo do índice de fevereiro compara os preços coletados no período de 30 de janeiro a 26 de fevereiro com aqueles vigentes entre 31 de dezembro e 29 de janeiro.

INPC

Além do IPCA, o IBGE calcula também o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que se refere às famílias com rendimento entre 01 e 05 salários mínimos.

Este índice teve alta de 0,64% em fevereiro, praticamente estável em relação aos 0,63% de janeiro e abaixo dos 0,52% de fevereiro do ano passado.

No acumulado de 12 meses, a taxa foi para 5,38%, acima da taxa de 5,26% dos 12 meses anteriores.

Os produtos alimentícios tiveram alta de 0,39%, enquanto os não-alimentícios subiram 0,75%. No mês passado, foi o contrário, com altas de 0,86% e 0,53%, respectivamente.