Vendas no varejo sobem pelo 8º mês seguido

Veículo: Valor Econômico

Seção: Brasil

Fonte: Diogo Martins

 

O volume de vendas no varejo cresceu 0,2% em outubro, na comparação com setembro, já descontados os efeitos sazonais, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As vendas aumentaram pelo oitavo mês consecutivo, mas o crescimento é o menor desde março, quando a alta foi de 0,1% no comparativo mensal.
 
O resultado de outubro ficou abaixo da média de 0,4% apurada pelo Valor Data junto a 16 consultorias e instituições financeiras. O intervalo das projeções era de queda de 0,2% a aumento de 0,7%. Em setembro, as vendas do varejo tinham avançado 0,5% ante agosto.
 
Perante outubro de 2012, o comércio varejista teve expansão de 5,3%, com apenas uma uma das oito atividades do varejo com queda no volume de vendas: Livros, jornais, revistas e papelaria (-0,6%). Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo aumentaram 3,3%.
 
No ano até outubro, as vendas varejistas apresentaram ampliação de 4%, ao passo que, em 12 meses, o setor cresceu 4,5%. 
 
O IBGE apontou ainda que a receita nominal do varejo subiu 0,7% em outubro, ante o mês anterior, e teve elevação de 12% no confronto com outubro de 2012. No acumulado do ano, a receita subiu 11,8% enquanto apresentou alta de 11,9% nos 12 meses até outubro.
 
Incluindo as vendas de veículos e motos, partes e peças, e material de construção, o chamado varejo ampliado, o volume de vendas subiu 1,8% entre setembro e outubro e a receita nominal teve aumento de 2,3%. Em relação ao antepenúltimo mês de 2012, esses percentuais corresponderam a 2,2% e 7,8%, respectivamente.
 
Das atividades avaliadas pelo IBGE em outubro, ante setembro, sete tiveram variações positivas, como Veículos e motos, partes e peças, que avançaram 6,2%, Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, com elevação de 3%, Material de construção, que subiu 0,9%, e Combustíveis e lubrificantes, com alta de 0,6%. Já outras três atividades apareceram na outra ponta: Móveis e eletrodomésticos (-0,2%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,4%) e Tecidos, vestuário e calçados (-0,4%).