Commodities Agrícolas - 09/12/2013

Veículo: Valor Econômico

Seção: Agronegócios

 

Tendência baixista Os futuros do café arábica fecharam a sessão de sexta-feira com ligeira alta na bolsa de Nova York após dois dias seguidos de quedas consideráveis. Os contratos com vencimento em março encerraram o dia com variação positiva de 40 pontos, a US$ 1,0640 por libra-peso. Apesar da valorização, a pressão negativa da oferta deve continuar. Analistas veem a cotação do café arábica em Nova York um pouco acima de US$ 1 por libra-peso. A previsão do Société Générale é de US$ 1,05 na temporada 2013/14. A Organização Internacional do Café (OIC) estima que a oferta do grão deve superar a demanda, no atual ciclo, em 4 milhões de sacas de 60 quilos. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq terminou a sexta-feira em queda de 0,62%, com a saca do grão a R$ 259,95.

Estoques baixos Impulsionados por estoques mais baixos e bons indicadores da economia dos Estados Unidos, os preços do algodão subiram na sexta-feira para o maior nível em seis semanas em Nova York. Os contratos com vencimento em março fecharam em alta de 156 pontos, a 80,41 centavos de dólar por libra-peso. Os estoques certificados de algodão na bolsa caíram 60% na semana passada para o menor nível desde o fim de outubro. Analistas também relacionam a alta de com a melhora no mercado de trabalho nos Estados Unidos. Com mais pessoas trabalhando, é maior o consumo e a procura por roupas, explicam os agentes. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para a pluma registrou leve valorização de 0,1% na sexta-feira, para R$ 2,1279 por libra-peso.
 
Piso em 11 semanas A combinação entre uma oferta global ampla e exportações americanas menores que as esperadas fizeram o trigo cair pelo terceiro dia seguido em Chicago na sexta-feira. Os contratos para março fecharam a US$ 6,51 por bushel, baixa de 1 centavo e menor nível em 11 semanas. Desta forma, os ganhos obtidos recentemente, com a expectativa de que Egito e Irã se tornem importadores do trigo americano foram zerados. Pesa sobre o mercado a expectativa de aumento da oferta global, com produção maior no Canadá, Austrália, Ucrânia e Rússia. Os últimos dados de exportação dos Estados Unidos, por outro lado, desapontaram o mercado. No mercado interno, o indicador Cepea/ Esalq para o cereal do Paraná terminou a sexta-feira em baixa de 0,87%, a R$ 768,46.
 
Ovos em queda em SP O IqPR, índice de preços recebidos pelos produtores agropecuários de São Paulo calculado pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) da Secretaria da Agricultura do Estado, encerrou o mês passado com variação negativa de 0,13%. Apesar dessa queda, no período de 12 meses encerrado em novembro o indicador ainda apresentou alta de 3,67%. Os dados do IEA mostram que a baixa foi determinada pelo comportamento das cotações no grupo formado por seis produtos de origem animal, que fechou o mês com desvalorização média de 5,48%. Nesse grupo, as principais retrações foram percebidas pelos produtores de ovos (15,31%) e de carne de frango (12,49%). No grupo de 14 vegetais, houve valorização média de 1,65%, puxada pelos ganhos do tomate (18,21%).