Safra brasileira deverá crescer 14,7% em 2013, estima IBGE

Veículo: Valor Econômico
Seção: Economia
 
Por Diogo Martins | Valor
 
RIO  -  A produção brasileira de grãos deverá crescer 14,7% em 2013 em relação ao ano passado e alcançar 185,7 milhões de toneladas, contra 161,9 milhões de toneladas em 2012. A estimativa faz parte do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de junho, divulgado nesta manhã pelo IBGE.
 
Na comparação com a estimativa anterior, de 185,9 milhões de toneladas, a estimativa para a safra de grãos caiu 0,1% em junho ante maio.
 
A queda em relação ao que o IBGE estimava em maio ocorreu pela menor expectativa da colheita de milho primeira safra, cultura que vem sendo impactada pela seca no Nordeste, segundo o gerente da coordenação de agropecuária do IBGE, Mauro Andre Andreazzi.
 
“A diminuição da produção de milho nos Estados do Nordeste ocasionaram a diminuição da expectativa da safra brasileira de grãos. Embora a mídia não fale mais sobre esse tema, a seca persiste naquela região”, afirmou o especialista do IBGE.
 
Dados do LSPA de junho informam que a estimativa para a produção de milho primeira safra caiu 1,1% em junho na comparação com maio, totalizando 34,484 milhões de toneladas. Ainda assim, esse volume é 3,8% maior que o obtido no ano passado.
 
Entre maio e junho, na região nordestina, o IBGE observou queda na produção dos Estados de Maranhão e Bahia. Além disso, o instituto verificou redução na produção de Minas Gerais e Rondônia. 
 
Para o milho segunda safra, o IBGE estimou alta de 0,3% em junho na comparação com maio, para 43,727 milhões de toneladas. A safra é 14,8% superior que a de 2012.
 
Os problemas climáticos também impactam a produção de café robusta, cuja estimativa caiu 16,5% em junho ante maio, para 657,723 mil toneladas. A queda foi atribuída pelo IBGE à falta de chuvas e às altas temperaturas no Espírito Santo, num período em que ocorre frutificação e enchimento dos grãos.
 
A estiagem fez ainda o IBGE revisar a projeção para a colheita de feijão, em queda de 2,4% de maio para junho, para 2,957 milhões de toneladas. Na comparação com 2012, a produção cresce 4,8%.
 
“O problema é a estiagem que afeta a produção em Estados do Nordeste. No Paraná, o problema é de excesso de chuva. Além disso, o feijão está sofrendo com a praga da mosca branca, que diminui a quantidade produzida e a qualidade do grão”, disse Andreazzi.
 
Na passagem de maio para junho, o IBGE também observou aumento na produção de trigo (0,8%, para 5,557 milhões de toneladas) e queda na produção de algodão herbáceo (de 1,8%, para 3,383 milhões de toneladas).
 
(Diogo Martins | Valor)