Conab reduz estimativa de exportação de algodão

Veículo: Estadão
Seção: Economia e Negócios
 
VENILSON FERREIRA - Agencia Estado
 
BRASÍLIA - A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) alterou o quadro de oferta de demanda de algodão no décimo de levantamento da safra 2012/13, divulgado nesta terça-feira, 9. Os técnicos da Conab reduziram a estimativa de exportação de algodão para este ano, passando das 595 mil toneladas projetadas no mês passado para as atuais 530 mil toneladas, volume 50% abaixo do exportado no ano passado (1,052 milhão de toneladas de pluma).
 
Segundo os técnicos, a retração da projeção das exportações se deve ao fraco desempenho dos embarques verificados até agora. Eles explicam que parte dos contratos flex (que tanto podem ser para exportação, quanto para venda interna) tem sido revertido para o mercado nacional.
 
A Conab também alterou a previsão de importação de algodão, por causa da redução nas exportações e da reversão dos contratos flex para o mercado interno. Os técnicos da Conab observam que os valores de paridade de importação do algodão não se mostram vantajosos para compras no mercado internacional. A Conab rebaixou a expectativa de importações agora para 51 mil toneladas de pluma, ante 163 mil toneladas estimadas no levantamento anterior. Vale lembrar que no ano passado o Brasil importou apenas 3,5 mil toneladas de pluma.
 
Os dados da estimativa de safra de algodão da Conab mostram poucas alterações em relação ao levantamento anterior. A área cultivada apresenta recuou de 35,8% para 895,0 mil hectares. Os técnicos lembram que a retração se deve a queda dos preços da fibra nos mercados interno e externo, aos altos custos de produção, e aos atraentes preços do milho e da soja. A produção brasileira de algodão é estimada em 1,262 milhão de toneladas de pluma, volume 32,8% (615,3 mil toneladas) abaixo das 1,877 milhão de toneladas colhidas na safra 2011/12.
 
Segundo os técnicos da Conab, as lavouras mato-grossenses de algodão estão em início de colheita, com estimativa de conclusão neste mês. Em Mato Grosso, a pouca precipitação e a alta luminosidade favoreceu a cultura na fase de formação de capulhos. Eles observam que no oeste baiano, apesar dos veranicos registrados em pleno desenvolvimento das lavouras, aliado à proliferação de pragas e doenças, a pesquisa indica uma produtividade média superior em 12,6% em relação à safra passada. A produção de algodão em Mato Grosso é estimada em 691,7 mil toneladas (-33,9%) e na Bahia em 354,1 mil toneladas (-26,8%).