Índice de commodities registra queda de 1,41%

Veículo: Valor Econômico
Seção: Brasil

Por Murilo Rodrigues Alves | De Brasília

O preço médio das commodities internacionais com impacto na inflação brasileira caiu 1,41% em janeiro, em relação ao mês anterior, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC). Medido pelo Índice de Commodities Brasil (IC-Br) a partir dos preços das commodities convertidos para reais, nos últimos 12 meses findos em janeiro, porém, o indicador acumula alta de 8,32%.

Dos três subgrupos que compõem o índice, dois tiveram queda nos preços no mês passado. O preço dos produtos agropecuários (carne de boi, carne de porco, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café e arroz) caiu 1,86% entre dezembro e janeiro. No acumulado em 12 meses, o indicador registra alta de 5,96% - a menor dos três subgrupos.

O preço das commodities energéticas (petróleo brent, gás natural e carvão) caiu 1,55% em janeiro. No entanto, em 12 meses, acumula alta de 11,85%.

Já as commodities metálicas (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo e níquel) foi o único subgrupo que apresentou alta no preço dos produtos no mês passado, fechando janeiro em 0,57% em relação a dezembro. Em 12 meses, esse subgrupo tem a maior elevação do índice, de 16,68%.

O índice CRB (Commodity Research Bureau), que é referência mundial para o mercado de matérias-primas apresentou queda de 1,97% no mês passado. Em 12 meses, o CRB apresenta alta de 13,04%

O índice de commodities do Itaú Unibanco permaneceu estagnado em janeiro em relação a dezembro de 2012. considera que houve, em janeiro, uma demanda mais forte por commodities, o que ajudou a manter os preços praticamente estáveis, apesar das melhoras na perspectiva de oferta desses produtos. Para o acumulado de 2013, o Itaú Unibanco projeta alta de 0,8%. Pelo indicador do Itaú Unibanco, os preços das commodities de energia foram os que mais subiram em janeiro, 2,2%.