Produção industrial sobe em 7 de 14 Estados em fevereiro, diz IBGE

Veículo: Folha de S. Paulo
Seção: Poder
Página:

Sete das 14 regiões pesquisadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apresentaram alta na produção industrial em fevereiro. O dado foi divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no levantamento sobre a Produção Física Regional, divulgado nesta terça-feira (10).

Na série ajustada sazonalmente, o Pará teve o crescimento mais acentuado, de 6,2%, e elimina parte da queda de 13,3% verificada em janeiro, aponta o instituto.

Os demais locais que registraram expansão na produção acima da média nacional (1,3%) foram: Rio de Janeiro (3,7%), Minas Gerais (3,0%), Ceará (2,5%) e São Paulo (1,5%). As demais taxas positivas foram observadas nos seguintes locais: Espírito Santo (1,3%) e região Nordeste (0,8%).

Os Estados que registraram os piores resultados foram: Paraná (-7,7%), Goiás (-3,9%) e Rio Grande do Sul (-3,5%). Com recuos pequenos ficaram Bahia (-0,6%), Pernambuco (-0,5%), Amazonas (-0,4%) e Santa Catarina (-0,2%).

ACUMULADO

No acumulado para os dois primeiros meses do ano, a redução na produção atingiu oito dos 14 locais pesquisados. Cinco locais recuaram acima da média nacional (-3,4%): Rio de Janeiro (-9,1%), Ceará (-6,9%), Santa Catarina (-6,3%), São Paulo (-6,0%) e Pará (-4,5%).

Os demais locais que apresentaram taxas negativas no acumulado do bimestre foram: Amazonas (-3,3%), Espírito Santo (-2,4%) e Minas Gerais (-1,8%). Nesses locais, o menor dinamismo foi influenciado por fatores relacionados à redução na fabricação de bens de consumo duráveis (automóveis, motos, aparelhos de ar condicionado e telefones celulares) e de bens de capital (especialmente os caminhões), além da menor produção dos setores extrativos (minérios de ferro), têxtil, vestuário e metalurgia básica.

No índice acumulado nos últimos 12 meses, o total nacional apontou queda de 1% em fevereiro, confirmando a trajetória descendente iniciada em outubro de 2010 (11,8%) e registrando a taxa negativa mais intensa desde fevereiro de 2010 (-2,6%).

Em termos regionais, sete dos 14 locais pesquisados também mostraram taxas negativas em fevereiro desse ano, com destaque para as perdas no Ceará (-11,4%) e em Santa Catarina (-6,4%). As principais expansões foram assinaladas em Goiás (9,3%), Paraná (5,4%) e Espírito Santo (4,5%).