Notícias

Índice de commodities sobe 0,57%

Veículo: Valor Econômico
Seção: Brasil
Página:

Depois de três meses consecutivos em queda, o preço médio das commodities com impacto relevante sobre a inflação brasileira, medido pelo Índice de Commodities Brasil (IC-Br), registrou ligeira elevação em janeiro (0,57%). No entanto, os dados divulgados ontem pelo Banco Central (BC) apontam uma valorização menos intensa das commodities num mês marcado tradicionalmente por alta nos preços desses produtos.

Em janeiro de 2011, o IC-Br registrou alta de 4,92% na comparação com o mês anterior. Sem esse número na conta, o acumulado em 12 meses teve recuo de 4,47% entre fevereiro de 2011 e janeiro deste ano. "Sazonalmente, temos valorização acentuada em janeiro, principalmente nos produtos agrícolas. Mas, no mês passado, tivemos pressões mais brandas que no mesmo mês de 2011", analisa Thiago Curado, economista da Tendências Consultoria.

As commodities agropecuárias (carne de boi, carne de porco, algodão, óleo de soja, trigo, açúcar, milho, café e arroz) tiveram elevação de 0,81% entre dezembro de 2011 e janeiro deste ano. O avanço foi bem mais tímido do que a alta de 5,5% apurada entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011.

O que puxou a alta do indicador no mês passado foram os produtos metálicos (alumínio, minério de ferro, cobre, estanho, zinco, chumbo e níquel), que subiram 3,22%. De acordo com Curado, a alta desse grupo aponta para enfraquecimento da queda dos preços dos produtos industriais dentro do IGP-DI. No resultado divulgado ontem pela FGV, o recuo desse item em janeiro já foi menos acentuado do que em dezembro, passando de 0,58% para 0,36%.

O subíndice commodities energéticas, que inclui petróleo brent, gás natural e carvão, foi o único dos três que compõem o IC-Br que teve retração no mês passado (3,67%). O grupo, porém, acumula alta de 6,24% em 12 meses. Na mesma base de comparação, as commodities agropecuárias e metálicas acumulam quedas de 4,96% e 11,01%, respectivamente.

O arrefecimento nos preços das mercadorias da cesta do IC-Br ao longo de 12 meses é maior do que o verificado no preço das commodities globais. Calculado pelo Commodity Research Bureau (CRB), índice que é a referência mundial para o mercado de matérias-primas, a variação no mesmo período foi negativa em 2,87%. Em janeiro, o CRB caiu 1,01%.



Compartilhe:

<< Voltar