Commodities Agrícolas

Veículo: Valor Econômico
Seção: Agronegócios
Página:

Teto em duas semanas As cotações do açúcar fecharam em alta em Nova York na segunda-feira, impulsionadas pelas novas estimativas da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) para a safra sucroalcooleira no Centro-Sul do Brasil, que vieram com ajustes considerados preocupantes para a oferta global do produto (ver página B14). Os contratos para março encerraram a sessão a 28,18 centavos de dólar por libra-peso, ganho de 54 pontos e maior patamar em quase duas semanas. Como a safra do Hemisfério Norte começa neste mês, traders ouvidos pela Dow Jones Newswires acreditam que o espaço para novas valorizações vai diminuir. No mercado doméstico, o indicador Cepea/Esalq para a saca de 50 quilos do açúcar cristal negociada em São Paulo caiu 0,53%, para R$ 66.

Recuperação em NY Após sofrer uma forte queda na sexta-feira, o café negociado na bolsa de Nova York teve um dia de recuperação, ontem. Os contratos futuros de arábica para entrega em dezembro, mais negociados, fecharam em alta de 95 pontos, cotados a US$ 2,7095 por libra-peso. Analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires disseram que o mercado segue sustentado pelo aperto da oferta enquanto os produtores da Colômbia e da América Central não iniciam a colheita da safra 2011/12. "Não ficaria surpreso se testássemos os US$ 2,80 antes disso. No longo prazo, porém, acho que já alcançamos as máximas", disse Jack Scoville, analista do Price Futures Group. No mercado doméstico, o indicador Cepea/Esalq subiu 2,94%, para R$ 513,07 por saca. O indicador está praticamente estável no mês.

Oferta robusta O dólar relativamente estável e a oferta folgada levaram à quinta desvalorização consecutiva dos preços futuros do cacau, a maior série descendente desde março. Os papéis para dezembro encerraram o dia cotados a US$ 2.863 por tonelada, desvalorização de US$ 10. Principal produtor mundial da amêndoa, a Costa do Marfim viu as entregas de cacau nos portos avançarem 22% em relação ao mesmo período da safra passada, a 1,4 milhão de toneladas. Em Gana, a segunda safra de cacau mais que dobrou nos últimos 12 meses. No mercado doméstico, o preço médio pago aos produtores de Ilhéus, na Bahia, foi de R$ 77,33 por arroba, alta de 0,42% sobre a sexta-feira, de acordo com levantamento da Central Nacional dos Produtores de Cacau.

Impulso "altista" Os preços futuros do algodão registraram ontem a quinta alta em seis pregões na bolsa de Nova York. Os contratos para entrega em dezembro, mais negociados, terminaram o pregão cotados a US$ 1,1229 por libra-peso, uma valorização de 42 pontos sobre o pregão de sexta-feira. Analistas ouvidos pela agência Bloomberg disseram que os preços foram impulsionados pelo corte na estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) para os estoques globais de passagem da safra 2011/12. Em seu relatório mensal, o órgão revisou para cima sua projeção para a demanda mundial da fibra. No cenário doméstico, o indicador Cepea/Esalq para oito dias subiu 0,97%, para R$ 1,7373 por libra-peso, mas ainda acumula queda de 3,73% no mês.