Copa vai movimentar R$ 10 bilhões em negócios no Estado

Veículo: O Estado de São Paulo
Seção: Economia
Página:

A Copa do Mundo de 2014 vai gerar oportunidades para 300 mil micro e pequenas empresas paulistas. Juntas, elas devem movimentar R$ 10 bilhões em negócios até o final do evento. Só na capital, serão 111 mil empresas beneficiadas. A estimativa é de um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e divulgado ontem pelo Sebrae.

O levantamento identificou 456 oportunidades de negócios para as micro e pequenas empresas em sete segmentos - agronegócio, madeiras e móveis, têxtil e vestuário, turismo, produção associada ao turismo, serviços e tecnologia da informação. O mercado mais promissor, segundo o estudo, é o de tecnologia da informação, onde foram identificadas 80 chances. Em seguida, aparece o agronegócio, com 75 oportunidades, e turismo e produção associada ao turismo que, juntos, somam 139 chances.

Agora, o Sebrae mapeia quais negócios podem dar certo no comércio varejista e construção civil. Nos próximos meses, a entidade divulgará oportunidades também nesses setores. "Acreditamos que na região de Itaquera, no entorno do estádio, existirá forte demanda para a venda de bens e serviços", diz o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

O estudo identificou também 103 dificuldades que as micro e pequenas empresas de cada setor enfrentarão até 2014, e aponta 158 sugestões de ações que deverão ser organizadas pelos setores público e privado no Estado de São Paulo para solucionar esses problemas.

Gargalos. Entre os principais gargalos estão a burocracia em licitações, a alta carga tributária, falta de formalização do empresário e desconhecimento sobre sustentabilidade e responsabilidade social. "Estamos conversando com grandes companhias para identificar em quais situações a pequena empresa poderia se tornar fornecedora de produtos e serviços. Queremos entender os requisitos necessários para essa parceria e contribuir com essa aproximação", diz Barretto.

Até 2013, a entidade vai investir R$ 80 milhões em iniciativas para que os pequenos negócios aproveitem as oportunidades da competição esportiva. O Sebrae vai promover, por exemplo, rodadas de negócios para favorecer o fechamento de contratos e realizar ações para facilitar a formalização dos empreendimentos.

O primeiro evento do gênero aconteceu ontem, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo. Na capital, foram realizados seis fóruns para empreendedores dos sete segmentos contemplados pelo estudo conhecerem as oportunidades de cada setor, trocarem informações e realizarem as primeiras negociações. "A Copa já começou e as empresas precisam ter em mente que devem se formalizar e se planejar para aproveitar", afirma o superintendente do Sebrae em São Paulo, Bruno Caetano.

André Fernandes, sócio-diretor da consultoria MV Engenharia de alimentos, da cidade de Jundiaí, participou dos fóruns. "Quero entender melhor as necessidades dos meus compradores e as demandas a serem atendidas pelos meus fornecedores", disse o empresário, que espera dobrar o faturamento até 2014.

Já o presidente da empresa de tecnologia Núcleo Base, de Presidente Prudente, estava animado com as previsões para o mercado de TI. Desde o início do ano ele participa de um arranjo produtivo local com outras 31 empresas da sua cidade, de olho nas oportunidades geradas pelo Mundial. "Estamos ainda mais otimistas com a possibilidade de Presidente Prudente ser subsede da Copa", diz.

O empresários interessados em participar gratuitamente de consultorias, palestras e outros programas promovidos pelo Sebrae podem encontrar mais informações nos escritórios regionais da entidade, no site do Sebrae (www.sebraesp.com.br) ou pelo telefone 0800 570 0800.

SETORES

Tecnologia da Informação
Setor oferece chances para serviços de suporte à distância (online); projeto e implantação de sistemas de proteção de redes, além de dispositivos para apresentações (projetores)

Agronegócio
Cultivo de produtos para bares, restaurantes e hotéis; fabricação de cachaça, vinho, entre outros

Turismo
Chances para albergues, para empresas que confeccionam brindes, e que também atuam no aluguel de automóveis, ônibus e vans, entre outros