Taxa básica de juros, Selic, pode cair para 10% até o próximo ano

Veículo: Correio Braziliense Online
Seção:
Página:

O mercado refez todas as projeções para a taxa básica de juros (Selic), a inflação e o crescimento neste ano e em 2012. Depois da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de agosto, na qual a Selic caiu de 12,50% para 12% ao ano, surpreendendo os analistas, os economistas se viram obrigados a rever seus números. O boletim semanal Focus, pesquisa do Banco Central que reúne as estimativas dos principais analistas do país, trouxe queda na previsão da taxa básica no fim do ano: de 12,38% para 11%. Em 2012, o ajuste foi de 11,88% para 11%.


Mesmo com o mantra do BC, de que o recrudescimento da crise internacional reduzirá as pressões inflacionárias que corroem o orçamento das famílias, sobretudo as mais pobres, os analistas elevaram as expectativas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como referência para o sistema de metas do governo. Para este ano, passaram de 6,38% para 6,45%. Em relação a 2012, as projeções pularam de 5,32% para 5,40%. “O grande desafio da autoridade monetária é a inflação deste ano. Não pode, de jeito nenhum, deixar o IPCA estourar o teto da meta, de 6,5%. O ano que vem ainda está longe para previsões mais precisas. Muita coisa pode mudar”, ponderou Rossano Oltramari, analista-chefe da Corretora XP Investimento.

Na avaliação de Jason Vieira, economista da Corretora Cruzeiro do Sul, o Banco Central está dando pouca importância às expectativas do mercado. “O BC deveria ficar mais preocupado”, disse, pois as projeções dos analistas acabam alimentando a inflação. Ele reconheceu, porém, que os juros continuarão baixando. “No meu cenário, serão mais duas quedas de 0,5 ponto percentual”, afirmou. Mauro Schneider, economista-chefe do Banif, acrescentou: “A Selic baixará até os 10% nas primeiras reuniões do Copom de 2012”. Já as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) caíram de 3,67% para 3,56%, em 2011, e de 3,84% para 3,80% no próximo ano.