Déficit do setor subirá 23% em 2011 e deve atingir US$ 33,4 bilhões

Veículo: DCI
Seção:
Página:

A balança comercial da indústria de elétrica e eletrônica deve fechar 2011 com um déficit de 23%. As projeções levam em conta o aumento de 18% nas importações ante expansão de apenas 2% nas exportações, conforme levantamento da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). Segundo dados divulgado ontem, em São Paulo, pela entidade, a previsão é de aumento de 8% na receita para 2011 comparado ao ano passado, totalizando um faturamento aproximado de R$ 134,9 bilhões.


"Se não houver mudanças que levem à queda no custo da energia, melhoras com relação à carga tributária, e aumento das estruturas de portos e aeroportos, será difícil reverter esse quadro", disse o presidente da entidade Humberto Barbato.

Para se ter uma idéia, dois segmentos que fecharão 2011 com alta em seu faturamento possuem os maiores déficits em sua balança comercial. Telecomunicações deve fechar 2011 com faturamento R$ 19,3 bilhões, alta de 16% em relação ao ano anterior. Em contrapartida, o segmento teve queda de 36% nas exportações (US$ 405 milhões), mas elevou em 47% suas importações, chegando a US$ 1,6 bilhão até junho. O destaque fica para celulares prontos, que atingiram alta de 111%, ou US$ 490 milhões.

Isso pode estar entre os motivos da demissão dos 200 trabalhadores pela coreana LG Electronics em sua planta de celulares e monitores em Taubaté (SP), na última segunda-feira.

O segmento de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica (GTD) continua aquecido. A previsão é de aumento de 10% na receita para o ano, movimentando R$ 13,2 bilhões. Para atender esse crescimento, as importações subiram 47%, movimentando US$ 832 milhões, e decréscimo de 25% nas exportações, somando US$ 325 milhões de janeiro a junho de 2011. "Mesmo com a realização de programas como Belo Monte, o GTD sofre com a queda nos preços de componentes de alta e média tenção", diz o diretor da Abinee, Newton Duarte.

O setor elétrico e eletrônico criou 4,7 mil vagas no primeiro semestre deste ano, chegando a um total de 179,4 mil empregos diretos. Ficando 60% abaixo das contratações efetuadas no mesmo período de 2010.

O segmento de informática deve crescer 6% este ano, atingindo faturamento de R$ 9,4 bilhões, com queda de 8% nas exportações e alta de 19% nas importações, chegando a US$ 1,5 bilhão no primeiro semestre. As vendas de computadores caíram em função da queda nos pedidos corporativos.