Cena externa puxa Ibovepa, que fecha semana com ganho de 1,72%

Veículo: Jornal do Brasil
Seção:
Página:

A sexta-feira foi de volatilidade na BM&FBovespa. O discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, BC dos EUA), Ben Bernanke, centrou as atenções dos investidores. Assim, no final das negociações o Ibovespa avançou 0,75%, aos 53.350 pontos. A sessão contou com giro financeiro da bolsa de R$ 5,033 bilhões. Na semana, o índice cresceu 1,72%.

“O mercado acionário doméstico reagiu ao comportamento das bolsas dos Estados Unidos. O Ibovespa operou com volatilidade antes e depois do discurso, mas pela tarde acabou firmando tendência positiva, refletindo basicamente um alívio de curto prazo gerado pelo Fed”, avaliou Adriano Moreno, estrategista da Futura investimentos.

Isso tudo porque o Bernanke afirmou nesta sexta-feira que a instituição fará "todo o possível" para garantir o crescimento e a estabilidade de preços, mas convocou os congressistas a adotar medidas de reativação orçamentária, considerando que eles dispõem de mais margem para fazê-lo. Os investidores aguardavam medidas concretas para estimular a economia.

“Apesar do Fed não ter anunciado nenhum estímulo econômico, o discurso dele foi alinhado com ideia que a economia norte-americana não sofrerá um ‘duplo mergulho’ e que ele ainda vai avaliar no próximo mês se haverá a necessidade de novas medidas”, comento Moreno.

Desta forma, os indicadores econômicos ficaram em segundo plano. O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu 1,0% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo informações divulgadas hoje pelo Departamento de Comércio do país. Analistas previam alta de 1,1%, e a estimativa anterior apontou crescimento de 1,3%.

Neste sentido, a confiança do consumidor norte-americana melhorou em agosto deste ano, de acordo com informações da Universidade de Michigan. O indicador passou de 54,9 na leitura anterior para 55,7 em agosto. Analistas previam 55,8.

“No fundo o que movimenta o mercado não é o fundamento, mas a aversão ao risco e esse quadro ainda deve se manter”, disse o estrategista da Futura Investimentos.

Internamente, as blue chips Vale e Petrobras avançaram e contribuíram com o movimento ascendente do dia. No final das negociações, as preferenciais série A da mineradora ganharam 1,88% e preferenciais da estatal petrolífera subiram 0,20%.

E dentre os destaques positivos do dia situaram os papéis ordinários da Cosan, com valorização de 4,31%. O conselho de administração da companhia aprovou ontem o primeiro programa de outorga de opção de compra ou subscrição de ações, que será composto por 12 milhões de ações ordinárias, ao preço base de R$ 22,80 por ação.