Economia americana preocupa e dólar volta a tocar R$ 1,60

Veículo: Brasil Econômico
Seção:
Página:


Dados da economia dos Estados Unidos favorecem o pessimismo e investidores fogem das bolsas de valores em busca de mais segurança, elevando a cotação do dólar na quinta-feira (18/8).

A moeda americana encerrou o dia com valorização de 0,88%, para R$ 1,597 na compra e R$ 1,599 na venda.

Desta vez, onda de pânico partiu dos Estados Unidos. Os números da atividade fabril desanimou boa parte dos investidores, que novamente fugiram das aplicações de risco. O índice chegou menor nível desde março de 2009, enquanto a venda de moradias usadas no país caiu em julho, mitigando a expectativa de recuperação da economia.

A queda das principais bolsas do mundo — incluindo a BM&FBovespa, onde o índice acumulou desvalorização de 3,52% — foi o principal motivador da alta do dólar.

Além de pesar sobre o mercado como um todo, um momento de pânico como o desta quinta-feira fomenta ainda mais a especulação. Para Almir Fagundes, operador de câmbio da Fourtrade Corretora, hoje foi dia de festa para o investidor de curto prazo. "Especulador adora esse momento de incerteza, insegurança e notícias sem fundamento."

Para ele, o real fundamento da baixa desta quinta-feira poderá surgir ainda nas próximas horas. "A maior parte das notícias verdadeiras que chacoalham o mercado só vem a público à noite ou na manhã do dia seguinte", explica Fagundes. "Pode ser que depois dos jornais da noite venha algo mais consistente. No transcorrer das operações, só há especulação."

Importadores

O operador da Fourtrade corretora, no entanto destaca a corrida dos importadores, temerosos de uma nova onda de volatilidade. "Hoje, com o dólar subindo, diversos operadores estavam fechando câmbio", comenta. "Isso não faz sentido."

Fagundes conta que, pela manhã, o dólar operava em queda e nesse momento não havia tantos pedidos de fechamento de câmbio. "É possível que o dólar suba mais com esse movimento."