Ministra francesa é nova diretora-gerente do FMI

Veículo: O Globo
Seção:
Página:

Ministra francesa é nova diretora-gerente do FMI

O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) elegeu ontem a ministra francesa de Finanças, Christine Lagarde, como a nova diretora-gerente do organismo em substituição ao também francês Dominique Strauss-Kahn, que renunciou em maio após um escândalo sexual. A escolha de Lagarde põe fim à disputa com o candidato mexicano Agustín Carstens, presidente do Banco Central do México, que tentava quebrar um acordo tácito entre Estados Unidos (EUA) e Europa, pelo qual o primeiro indicava o presidente do Banco Mundial e a segunda, o presidente do Fundo.

A vitória de Lagarde foi assegurada depois que os EUA manifestaram apoio explícito à ministra francesa. Potências emergentes como China, Rússia e Brasil fizeram o mesmo. O apoio americano veio em comunicado do seu secretário do Tesouro, Timothy Geithner. Na nota, ele disse que “o talento excepcional e a ampla experiência de Christine” dão a ela inestimável liderança para cuidar de momentos críticos da economia global.

Pouco antes eleição, o ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega, também anunciou o apoio formal do país à candidatura de Lagarde. Segundo ele, a ministra tem uma visão global, e não apenas europeia, a respeito das questões econômicas:

— (Ela prometeu) ampliar o papel dos mercados emergentes no FMI. Esperamos que ela cumpra o prometido — disse.

Na Europa, Lagarde sempre encontrou suporte para sua indicação ao Fundo, especialmente em razão de seu desempenho na crise econômica global.

 

 

Primeira mulher a dirigir Fundo assume em 5 de julho

O Conselho Consultivo do Fundo, de 24 membros, representa os 187 integrantes do FMI. A organização tinha até quinta-feira para escolher o novo diretor-gerente, mas seus membros buscaram um consenso para resolver a questão ontem, antes da votação final do pacote de reformas na Grécia, prevista para hoje. “O Conselho Executivo do FMI escolheu hoje (ontem) Christine Lagarde para atuar como diretora-gerente com um mandato de cinco anos, a partir de 5 de julho de 2011”, disse o Fundo em comunicado.

Lagarde será a primeira mulher a chefiar o organismo multilateral. Divorciada, 55 anos e mãe de dois filhos, ela é formada em Direito. Assumiu o Ministério do Comércio da França em 2005, após 20 anos trabalhando nos EUA, onde chegou à presidência do escritório de advocacia Baker & McKenzie. Em 2007, assumiu o Ministério de Finanças, cargo que mantém até hoje, a convite do atual presidente francês Nicolas Sarkozy.