Commodities Agrícolas

Veículo: Valor Econômico
Seção: Agronegócios
Página:

Commodities Agrícolas

Vendas especulativas. Vendas especulativas registradas no pregão de ontem na bolsa de Nova York derrubaram os preços do suco de laranja. Os contratos para julho terminaram o dia a US$ 1,723 por libra-peso, em queda de 60 pontos. Segundo a Bloomberg, essa foi a primeira queda registrada nos preços das commodities nos últimos seis pregões da bolsa americana. A queda ocorre após a nova safra de laranja (2011/12) do cinturão citrícola de São Paulo e Minas Gerais, ter sido revisada para 387 milhões de caixas, conforme previsão Associação Nacional dos Fabricantes de Sucos Cítricos (CitrusBR). Apesar da queda em Nova York, no mercado interno os preços subiram. Segundo o Cepea, a laranja pêra para indústria terminou o dia valendo R$ 16,35 por caixa, em alta diária de 4,14%.

Economia preocupa. Acompanhando outras commodities nos mercados, os contratos futuros de algodão fecharam em forte queda ontem na bolsa de Nova York. Segundo a Dow Jones Newswires, dúvidas sobre a recuperação da economia dos EUA também contribuíram para o recuo. Os contratos futuros da pluma com vencimento em julho encerraram com recuo de 600 pontos a US$ 1,5151 por libra-peso. Analistas ouvidos disseram que os preços devem continuar a recuar hoje, pois o relatório semanal de exportações do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) deve mostrar novos cancelamentos de embarques pela quinta semana consecutiva. No mercado interno, o indicador Cepea/Esalq para o algodão ficou em R$ 2,3964 por libra-peso, queda de 14,14% no dia.

Contaminação. O mercado futuro da soja também sucumbiu ontem à queda generalizada em outras commodities e registrou forte recuo na bolsa de Chicago, de acordo com a Dow Jones Newswires. Os contratos com vencimento em julho perderam 11,75 centavos de dólar a US$ 13,52 por bushel. A razão para o recuo nos mercados de commodities ontem foi que grandes investidores decidiram reduzir sua exposição a riscos. Além disso, a demanda mais fraca para exportação e a ameaça de que parte das áreas que seriam destinadas ao milho sejam plantadas com soja também pressionaram as cotações, segundo analistas. No mercado interno, o Indicador Cepea/Esalq/BM&FBovespa - Paranaguá - registrou queda de 1,05% ontem, e a saca de soja ficou em R$ 47,00.

Derrapada. Liquidações disseminadas nos mercados de commodities e sinais de menor risco para a safra de trigo de inverno do Kansas fizeram os futuros do cereal despencar ontem na bolsa de Chicago. Os papéis com vencimento em julho fecharam com queda de 21,25 centavos de dólar (2,7%), a US$ 7,72 por bushel. Em Kansas, os contratos para julho recuaram 20,25 centavos a US$ 8,7775. Conforme a Dow Jones Newswires, investidores em commodities venderam para reduzir exposição ao risco, o que acabou se sobrepondo às preocupações com a safra de trigo nas planícies do norte dos EUA. Além disso, um tour pela região de trigo do Kansas mostrou efeito favorável das chuvas do fim de semana. No Paraná, a saca de trigo foi negociada por R$ 27,33, em média, alta de 0,07%, segundo o Deral, da Secretaria de Agricultura.