Notícias

Bolsas asiáticas voltam a apresentar números mistos

Veículo: Estadão
Seção: Economia e Negócios
Página:

Bolsas asiáticas voltam a apresentar números mistos

TÓQUIO - Pelo segundo pregão seguido, os mercados da Ásia fecharam sem sinal definido. Nesta terça-feira, 29, as bolsas voltaram a oscilar conforme fatores econômicos de cada país.

A Bolsa de Tóquio fechou em queda, com a crise nuclear tendo levantado a especulação acerca de uma possível nacionalização da Tokyo Electric Power (Tepco) - a concessionária cujos reatores estão no centro da crise - e puxando suas ações para uma nova mínima histórica. O índice Nikkei 225 encerrou em baixa de 19,45 pontos, ou 0,2%, e fechou aos 9.459,08 pontos.

O mercado se enfraqueceu desde cedo, já que as persistentes preocupações com a pior crise nuclear já enfrentada pelo país foram exacerbadas pelo anúncio da companhia de que havia sido detectado plutônio altamente tóxico na usina de Daiichi, em Fukushima.

Uma reportagem do jornal "Yomiuri Shimbun" segundo a qual o governo estuda a nacionalização da Tepco também despertou o receio de que suas ações deixem de ser listadas. Numa entrevista coletiva, o secretário do Gabinete de Governo, Yukio Edano, desmentiu a informação. Mesmo assim, as ações afundaram 18,7% e encerraram na mínima histórica.

A Bolsa de Hong Kong fechou praticamente estável, com os investidores andando de lado, à espera do anúncio dos balanços anuais de várias empresas blue chips, como Cheung Kong e Hutchison Whampoa, após o fechamento do mercado. Também continuaram a pesar as preocupações sobre as crises no Oriente Médio e no Japão. O índice Hang Seng perdeu apenas 7,83 pontos, ou 0,03%, e encerrou aos 23.060,36.

As Bolsas da China fecharam em queda, por causa da realização de lucros nas mineradoras de ouro e nas petrolíferas, em virtude da baixa nos preços globais das commodities. O índice Xangai Composto caiu 0,9% e fechou aos 2.958,08 pontos. O índice Shenzhen Composto perdeu 1,9% e encerrou aos 1.275,28 pontos.

O yuan teve ligeira valorização sobre o dólar, com novos sinais de consolidação do câmbio após os ganhos da moeda chinesa nas últimas semanas. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,5610 yuans, de 6,5645 yuans do fechamento de segunda-feira. A taxa de paridade central dólar-yuan foi fixada em 6,5625 yuans, de 6,5618 yuans de ontem.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, encerrou o dia em alta, liderada pelos ganhos em papéis do setor financeiro e de tecnologia. O índice Taiwan Weighted avançou 0,51% e fechou aos 8.596,57 pontos.

Já na Coreia do Sul, os investidores estrangeiros estenderam sua onda de compras pelo nono dia seguido e levaram o índice Kospi, da Bolsa de Seul, a uma alta de 0,8%, tendo fechado aos 2.072,13 pontos.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney avançou 0,5% e fechou aos 4.755,8 pontos, o maior nível de fechamento desde 10 de março.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila fechou em leve baixa provocada pelas persistentes preocupações sobre o crescimento econômico. O índice PSE teve baixa de 0,17% e fechou aos 3.907,23 pontos.

A Bolsa de Cingapura fechou estável, uma vez que os investidores permaneceram relutantes em mudar significativamente suas posições antes do fim do trimestre e já que crescentes preocupações sobre a crise nuclear do Japão permanecem pesando sobre o sentimento do mercado. O índice Straits Times cedeu 0,4 ponto e fechou aos 3.056,95 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,3% e fechou aos 3.591,51 pontos, em volume fraco, mas acima da baixa intraday de 3.570,40 pontos, liderado por compras por investidores estrangeiros de papeis relacionados a produtos de consumo e vinculados a commodities depois de recentes ganhos.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, ganhou 0,3% e fechou aos 1.036,36 pontos, em volume moderado, mas a ausência de novidades limitou a alta no curto prazo.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,4% e fechou aos 1.520,09 pontos, com ganhos liderados por madeireiras e empresas relacionadas a petróleo e gás. As informações são da Dow Jones



Compartilhe:

<< Voltar