Descolado de Wall Street, Ibovespa tem alta; OGX se destaca no dia

Veículo: Valor Econômico
Seção: Mercado
Página:

Descolado de Wall Street, Ibovespa tem alta; OGX se destaca no dia

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ensaiou acompanhar a trajetória negativa do mercado externo nesta jornada, mas ainda conseguiu sustentar a alta. A valorização de papéis de bancos, siderúrgicas, da OGX Petróleo e da Petrobras dá força para o mercado doméstico seguir com sua recuperação.

Por volta das 13h30, o Ibovespa subia 0,48%, aos 64.524 pontos, com giro financeiro de R$ 2,38 bilhões.

Em Wall Street, no mesmo horário, o índice Dow Jones tinha desvalorização de 0,24%, enquanto o S&P 500 caía 0,21% e o Nasdaq recuava 0,28%.

“Hoje temos um repique de ontem, que foi um dia bem negativo, principalmente com a saída do estrangeiro. Há a continuidade de números bons lá fora e maior calma com a Europa e o Egito. Temos percebido, entretanto, que o estrangeiro não deve ficar aqui. Ou ele sai do mercado ou ele deixa de entrar e, por mais que o cenário esteja mais calmo, ainda temos que ficar à espera de dinheiro novo”, afirma o operador da Alpes Corretora Fernando Yanaka.

Entre os indicadores do dia, o Departamento do Trabalho dos EUA mostrou que os novos pedidos de seguro-desemprego no país diminuíram em 36 mil na semana passada, na comparação com a anterior, para 383 mil.

Ainda que os dados tenham sido melhores que o projetado, o mercado americano mostra preocupação com balanços apresentados pela Cisco Systems e pela Pepsi. Além disso, o índice Dow Jones avançou em oito pregões seguidos, portanto um movimento de realização de lucros é mais do que esperado.

De volta ao Ibovespa, minutos atrás, as maiores altas do Ibovespa partiam dos papéis OGX Petróleo ON (3,05%, a R$ 17,56), Cielo ON (2,98%, a R$ 11,38) e Vivo PN (2,50%, a R$ 54,07).

A Cielo encerrou o quarto trimestre do ano passado com lucro líquido de R$ 444,5 milhões, praticamente estável em relação ao ganho apurado no mesmo período de 2009, quando reportou lucro de R$ 442 milhões.

Além disso, entre os bancos, as units do Santander Brasil subiam 2,56%, a R$ 18,78, os papéis PN do Bradesco avançavam 1,31%, a R$ 30,13, e Banco do Brasil tinha valorização de 0,92%, a R$ 28,34. Também no campo positivo, as ações PN da Petrobras se apreciavam em 1,22%, a R$ 26,50.

Na direção oposta, as principais quedas do Ibovespa pertenciam às ações de construção MRV ON (-1,13%, a R$ 13,06) e Cyrela ON (-1,23%, a R$ 17,53), e aos papéis LLX ON (-1,50%, a R$ 3,93) e Cosan ON (-3,57%, a R$ 24,00). Além disso, Vale PNA caía 0,59%, a R$ 48,40.

A Cosan encerrou o terceiro trimestre fiscal com lucro líquido de R$ 27,9 milhões, ou 83,3% abaixo dos R$ 167,1 milhões somados no exercício anterior. Esse resultado reflete um aumento dos custos, principalmente o impacto proveniente da quebra de safra da cana-de-açúcar, "além de maior originação de açúcar para revenda, com menores margens de contribuição unitária".

(Beatriz Cutait | Valor)