Dilma quer vender mais para os Estados Unidos

Veículo: Brasil Econômico
Seção:
Página:

Dilma quer vender mais para os Estados Unidos

A presidente Dilma Rousseff cobrou nesta segunda-feira (7/2) do secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, o aumento do peso das exportações brasileiras de manufaturados na balança comercial americana.

Em encontro realizado em Brasília, Dilma comentou ainda que as commodities não devem ser responsabilizadas pelo desequilíbrio da economia mundial.

Geithner, por sua vez, disse que a valorização do real em relação ao dólar - realidade que prejudica as exportações brasileiras - tem como responsáveis três fatores: juros altos, o atual interesse dos estrangeiros por países emergentes e o câmbio depreciado em algumas economias em desenvolvimento, como a China.

Segundo ele, a receita para superar o problema passa pela necessidade de se adotar medidas preventivas de desaquecimento da economia e também por uma boa administração das contas fiscais. Isso, frisou, vale para o Brasil mas também para os Estados Unidos. "Temos nossos desafios em casa também", disse o secretário.

Geithner enfatizou a necessidade de mais estabilidade na economia mundial, acrescentando que Brasil e Estados Unidos tem um papel importante nisso, assim como o restante dos países do G20.

"Temos interesses em comum, estamos alinhados e ansiosos pela oportunidade de construir uma relação econômica ainda mais forte", disse, após reunião para prepara a vinda do presidente americano, Barack Obama, ao Brasil, em março.

Questionado se os dois países preparam medidas econômicas conjuntas, ele disse ter a certeza de que Brasil e Estados Unidos podem "trabalhar juntos."

Antes do encontro com Dilma, Geithner se reuniu com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, com o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e com empresários em São Paulo.