Bovespa deve iniciar pregão em queda, com mercado de olho na China

Veículo: Valor Econômico
Seção: Mercado
Página:

Bovespa deve iniciar pregão em queda, com mercado de olho na China

SÃO PAULO – Números fortes de crescimento da economia chinesa estão no foco da atenção dos investidores nesta quinta-feira. O país cresceu mais que o previsto no quarto trimestre de 2010 e os dados de atividade e inflação mostraram que a trajetória chinesa segue aquecida. Os indicadores divulgados nesta madrugada voltam a deixar os mercados cautelosos, diante de expectativa de novas ações pelo governo para frear seu ritmo de expansão.

Nas bolsas, o movimento é defensivo. Pela manhã, os mercados europeus e os índices futuros americanos operavam no vermelho.

No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também deve iniciar os negócios em queda. A indicação parte do Ibovespa futuro que, há pouco, recuava 0,30%, aos 70.170 pontos.

Ontem, o Ibovespa teve baixa de 1,21%, para 70.058 pontos, e o giro financeiro atingiu R$ 5,92 bilhões.

Em Wall Street, o índice Dow Jones recuou 0,11%, enquanto o Nasdaq cedeu 1,46% e o S&P 500 perdeu 1,01%.

A economia chinesa cresceu 10,3% em 2010, seguindo expansão de 9,2% um ano antes. Somente no quarto trimestre de 2010, perante igual intervalo do exercício anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) da China teve um avanço de 9,8%.

A produção industrial na China ainda acelerou seu ritmo de crescimento, passando de um avanço de 11%, em 2009, para 15,7%, um ano depois. Em dezembro de 2010, houve expansão de 13,5% na produção chinesa em relação ao mesmo mês do calendário anterior.

As vendas no varejo chinês, por sua vez, aumentaram 18,4% em 2010, totalizando 15,455 trilhões de yuans (US$ 2,34 trilhões). Descontada a inflação, o crescimento foi de 14,8%.

No campo inflacionário, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) da China subiu 3,3% em 2010. Apenas em dezembro do ano passado, o índice teve elevação de 4,6% no confronto anual e de 0,5% na base mensal.

Já o Índice de Preços ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) da China aumentou 5,5% em 2010. A inflação no atacado em dezembro foi de 5,9% na comparação com o mesmo mês de 2009, desacelerando ante novembro, quando estava em 6,1%.

Além da China, a agenda dos EUA reserva dados semanais de pedidos de seguro-desemprego e estoques de petróleo, além dos números de vendas de imóveis existentes e da pesquisa de Indicadores Antecedentes da economia, referentes a dezembro.

Na continuação da temporada de balanços, se destacam os números do Morgan Stanley, do Google e do eBay.

Na Ásia, os números da economia chinesa alimentaram as preocupações do mercado quanto à inflação no país, levando as bolsas de volta ao vermelho.

Em Xangai, o Shanghai Composite recuou 2,92%, enquanto, em Hong Kong, a queda do índice Hang Seng foi de 1,70%. Na bolsa de Tóquio, o Nikkei 225 recuou 1,13% e, em Taipé, o Taiwan Taiex teve retração de 0,70%. O índice Kospi, da bolsa de Seul, ainda cedeu 0,43%.