Carga tributária cresceu 42% em 10 anos para bancar juro

Veículo: Monitor Mercantil
Seção:
Página:

De acordo com o economista Ricardo Bergamini, professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), entre 1990 e 2009 a carga tributária no Brasil cresceu 41,62%.

Proporcionalmente, Itamar Franco foi o presidente que mais aumentou impostos: 11,78%, em dois anos de mandato. Já em termos absolutos, o líder é Fernando Henrique Cardoso (15,95%), que também foi ministro da Fazenda de Itamar, entre maio de 1993 e 1994.

Em 2003, Luiz Inácio Lula da Silva assumiu o governo com uma carga tributária de 32,35% do PIB, que subiu para 33,58% em 2009 do PIB. Aumento de 3,80% em relação ao ano de 2002.

Para o consultor Amir Khair, ex-secretário municipal de Finanças de São Paulo, o que pressiona os impostos são os juros do Brasil, os mais elevados do mundo, considerados por ele é uma "anomalia".

Khair não vê justificativa para manter a taxa básica de juros (Selic) nesse nível, até porque ela alimenta a inflação: "A Selic alta desestimula a oferta e eleva a demanda via aumento de gastos do governo com a dívida."

Para Khair, o novo governo deverá relegar o papel do Banco Central a um segundo plano: "A redução da Selic poderá proporcionar rapidamente economia de cerca de 3% do PIB por ano", contabiliza Khair, favorável à proteção aos setores da indústria prejudicados pelo câmbio valorizado, situação estimulada pelos juros altos. Fonte: Monitor Mercantil