Importação cresceu cinco vezes mais que exportações

Veículo: DCI
Seção:
Página:



Da Redação

A taxa de crescimento das importações (38,8%) foi mais de cinco vezes superior à das exportações (alta de 7,3%) no segundo trimestre de 2010 ante igual período do ano passado. De acordo com analistas, o aumento das vendas para o mercado externo foi ocasionado basicamente pela valorização das commodities. A expansão das importações, por outro lado, foi pautado pelo aumento da compra de manufaturados, tanto em valor como em quantidade.

"Nas exportações, enquanto tivemos uma queda dos manufaturados em termos de quantidade, as commodities aumentaram no aspecto preço. É o contrário do que se tem nas importações, em que há um aumento de produtos manufaturados tanto em quantidade quanto em valor", afirma o presidente em exercício da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, sobre os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o professor Marcio Sette Fortes, do Ibmec-RJ, o aumento das importações é sinal de que a demanda continua aquecida no País. "Existe uma demanda acima do normal, superando a capacidade de oferta, atendida pelos produtos que vem de fora", diz.

Antes considerado o vilão do setor exportador, o câmbio tem recebido menos atenção. Segundo Nathan Blanche, da consultoria Tendências, o câmbio no patamar atual evita uma escalada da inflação e um aumento maior dos juros. "O câmbio tem sido o herói deflacionário. Se não estivesse a R$ 1,70, as taxas de juros já deveriam estar em torno de 14%."