Malwee do Ceará vai ser a 2ª maior do País

Veículo: Diário do Nordeste
Seção:
Página:



Foto da matéria

Clique para Ampliar

Em três anos, com todo o plano industrial executado, a unidade produtiva chegará a 40 mil m²
FOTOS: THIAGO GASPAR

Clique para Ampliar

Guilherme Weege espera contratar até 50 pessoas por mês na unidade de Pacajus

7/9/2010

A Malwee pretende chegar a mil funcionários até 2013. A nova unidade já conta com 80 trabalhadores

Com expectativa de gerar 2.400 empregos até 2013, a catarinense Malwee Malhas inaugurou a primeira parte do projeto industrial que será instalado em Pacajus (a 51 km de Fortaleza) nos próximos três anos. A unidade que começou a operar ontem terá até 350 trabalhadores diretos, dos quais 80 já estão produzindo. Após a conclusão de todo o plano industrial, que já teve obras iniciadas, a Malwee no Ceará será a segunda maior do País, com produção inferior apenas à sede, de acordo com o administrador da empresa, Guilherme Weege.

"A ideia é contratar de 30 a 50 pessoas por mês", revela. Segundo o administrador, o estímulo do Governo de Estado e a vocação industrial de Pacajus foram fundamentais para a escolha da cidade. "Procuramos uma cidade com cultura industrial e com pessoas comprometidas com trabalho. Além disso, tem a questão logística, pois as vendas na região Nordeste estão crescendo muito", avalia. A expectativa da Malwee é ter até fim de 2011 até 1000 funcionários. Em 2013, com todo o plano industrial executado, a unidade produtiva terá 40 mil m².

Qualificação

Para o presidente da Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece), Francisco Zuza de Oliveira, as parcerias para criar mão-de-obra qualificada visando atender a demanda das indústrias tem sido importante para atrair empresas. "A Adece vem fazendo parcerias para fornecer mão-de-obra qualificada. Essa é um experiência interessante na formação de profissionais. Estamos muito felizes com mais um indústria instalada, que representa um avanço no parque têxtil do Ceará", diz.

No caso da Malwee, as parcerias para ter trabalhadores qualificados disponíveis também foi fundamental. O Programa de Capacitação em Rede (PCR), criado e desenvolvido pelo Instituto de Educação Portal (IEP), ONG que se dedica à capacitação e inserção de jovens da escola pública e de baixa renda, atendeu à urgente necessidade da Malwee. O Governo do Estado e a empresa convocaram o IEP para celebrar parceria. A Malwee emprestou 80 máquinas de costura da mais alta tecnologia e o Governo concedeu o material didático.

O prefeito de Pacajus, Pedro José Philomeno Gomes, também comemorou a chegada da Malwee no município. "É uma nova etapa da industrialização de Pacajus. Outras empresas devem chegar em breve no município. A Malwee será bastante útil à população local", avalia o prefeit o de Pacajus.

Enquete
Oportunidade

"Comecei a trabalhar junto com a fundação da fábrica. A expectativa é grande para dar o melhor de mim no novo emprego."

Rafaela Ramos
Costureira

"Já tinha experiência com costura. Para mim, é uma grande satisfação voltar a trabalhar por que estava parada."

Selma Lima Silva
Costureira

"Há 15 dias estou trabalhando. Fiz o treinamento na própria empresa. Estava desempregada, enviei currículo e estou aqui."

Rose Sales
Costureira