São Francisco congestionado: 33 navios aguardam para atracar no terminal

Veículo: Netmarinha
Seção:
Página:




O terminal do Norte do Estado registra prejuizo de R$ 20 mil para cada dia parado.13.02.09_porto-sfs_fs.jpg


As companhias de navegação que operam em São Francisco do Sul estão sofrendo com o congestionamento marítimo. Uma fila de 33 navios aguarda para atracar no porto.


A espera, que gera custos para as empresas e pode influenciar no preço final dos produtos, é resultado da coincidência de dois fatores: o aumento no volume de importação de aço e a reforma do berço 201.


– A espera começou no período de safra da soja, permaneceu com o aumento de importação de bobinas e chapas de aço. Hoje, é de 15 dias em média. Os custos de um navio parado chegam a US$ 20 mil ao dia. No caso do metal, isso pode trazer um aumento médio de US$ 3 por tonelada – afirma o gerente da Orion Agência Marítima, William Ricardo Soares, que tem pelo menos três navios na fila.


De acordo com o presidente do Porto de São Francisco, Paulo Cesar Cortes Corsi, a maioria das embarcações que aguarda para atracar está carregada com aço.


Segundo ele, apenas a ArcelorMittal, maior siderúrgica do mundo, que possui uma unidade na cidade, aumentou em 50% a movimentação do metal no terminal. O produto é importado, principalmente, da China.
alt

Berço passa por obras de ampliação


Para as embarcações com aço, a situação é ainda pior. Os navios graneleiros e que transportam contêineres têm preferência.


Soares explica que, além de levar mais tempo para descarregar – até cinco dias –, os navios com bobinas de aço são considerados de carga geral. Por isso, precisam desatracar e ceder a vez quando chega um navio de contêineres, que demanda não mais do que 20 horas na operação de descarga.


Para Corsi, a reforma do berço 201 pode ter contribuído para formar filas, mas não há garantia de que a espera seria menor se a obra, prevista para acabar no final do ano, já estivesse pronta.


– Este é um momento de pico e não dita a necessidade emergencial de ampliação – diz ele.


O presidente do porto observa, ainda, que a reforma para aumentar o berço 201 de 150 metros para 250 metros representa um investimento de R$ 30 milhões do PAC. A ampliação, segundo ele, permitirá a atração de navios de maior porte em 2011.

alt
Porto de Itajaí vira plano B


O excesso de demanda em São Francisco do Sul fez a Companhia de Navegação Norsul desviar um dos seus cinco navios na fila de atração para um terminal privado de Itajaí na última semana.


A empresa, que transporta bobinas de aço produzidas pela ArcelorMittal de Vitória (ES) para São Francisco, deve repetir o procedimento nos próximos dias.


O presidente do porto, Paulo Corsi, minimiza o problema do congestionamento.


– A decisão de aguardar ou não é da empresa. O porto não perde, porque há excesso de demanda. Estamos batendo recordes de movimentação. Foram 8 milhões de toneladas em 2009, e, este ano, devemos superar a marca de 10 milhões de toneladas.


A Norsul defende a construção de terminais privados. A empresa tem um projeto, o Mar Azul, orçado em R$ 120 milhões.


– Lutamos para a construção do terminal Mar Azul, que reduziria os custos da ArcelorMittal e desafogaria o porto – afirma Herbert Markenson, diretor do projeto.


A obra prevê um centro de distribuição, que teve a construção paralisada por questões ambientais, e dois berços. Estes últimos devem demorar dois anos para ficar prontos, assim que a licença ambiental for obtida.





Com informações Diario Catarinense