Importar algodão já é mais favorável, diz Cepea

Veículo: Folha de S. Paulo
Seção: VAIVÉM
Página:




MAURO ZAFALON - mauro.zafalon@uol.com.br

O algodão mantém forte aceleração de preço no mercado interno e continua sendo negociado por valores próximos do recorde de 2004. Resultado: para algumas indústrias, já é mais viável importar do que pagar os valores praticados no mercado interno.
Na avaliação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), que acompanha diariamente as cotações do produto, "os atuais preços domésticos atingiram o patamar da paridade de importação, chegando mesmo a ultrapassá-lo, dependendo da condição da empresa importadora, da localização, da possibilidade de drawback etc.".
A alta do algodão, que já acumula 37,5% neste mês no mercado interno, se deve a baixos estoques, tanto no Brasil como no exterior. Além de oferta menor no Brasil, o mercado convive com a previsão de queda na safra paquistanesa devido às recentes enchentes no país.
Muitas empresas deixaram para se abastecer no período de safra, mas não encontram os volumes desejados de algodão para a formação de estoques.
Agora, mesmo com oferta interna restrita, estão indo ao mercado e dando sustentação aos preços.
O Indicador do Cepea de algodão em pluma para pagamento em oito dias já subiu 65,3% neste ano. Ontem, o produto atingiu R$ 2,24 por libra-peso (454 gramas) para pagamento em oito dias.
Em Nova York, o algodão atingiu US$ 0,89 por libra-peso na Bolsa de mercadorias. Esse valor supera em 8,2% o de há um mês e em 54,2% o de há um ano.