Ocupação pede mais leitos

Veículo: Jornal de Santa Catarina
Seção: Economia
Página:

Movimento de hóspedes acima da média estadual esbarra em diárias baixas, afirma sindicato

BLUMENAU - A rede hoteleira de Blumenau teve a melhor ocupação média de Santa Catarina de janeiro a julho. Os leitos permaneceram 64% ocupados. Apesar de ter índices superiores à média estadual em todos os meses (veja gráfico) e a curva ser ascendente nos últimos anos, a cidade não atrai novos investidores. Os hotéis existentes, historicamente, alegavam dificuldade para ampliar porque o movimento oscilaria demais algo que os números não comprovam.

Embora mais camas estejam ocupadas (a média anual subiu de 53%, em 2004, para 61%, em 2008), o último grande hotel a investir foi o Ibis, com 110 quartos, em 2004. A falta de interessados é reflexo do perfil dos turistas, segundo o presidente do Sindicato de Hotéis, Emil Chartouni Neto. Ele afirma que 90% dos hóspedes são turistas de negócios, em busca de diárias econômicas. Chartouni acredita que não há investidores por uma questão de preços:

– Não adianta investir R$ 7 milhões num grande hotel com diária baixa. Para uma grande rede, é inviável.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) no Estado, João Amaral Moritz, afirma que a cidade já demanda investimentos. Para ele, é preciso que os hotéis passem por modernização total, ampliando o leque de opções:

– Há clientes para todos os níveis. É importante que os serviços sejam condizentes com o valor da diária.

Organizador da Texfair e presidente do Sindicato das Indústrias Têxteis (Sintex), Ulrich Kuhn acredita que grande parte dos hóspedes busca atendimento e conforto:

– Se tiver serviço à altura, os clientes vão pagar. Parece que estão inventando mais uma desculpa para não investir. Antes era a ocupação baixa.

daniela.matthes@santa.com.br

DANIELA MATTHES

Multimídia

Prefeitura busca novos interessados

– Há empresários interessados em erguer novos hotéis em Blumenau – garante o secretário municipal de Turismo José Eduardo Bahls de Almeida.

Para ele, o crescimento desde 2004 da taxa média anual de ocupação nos estabelecimentos existentes – com exceção de 2009, quando o turismo foi prejudicado pelo surto de gripe A e a tragédia do final de 2008 – está atraindo a atenção de empresários do setor.

Bahls de Almeida, o prefeito João Paulo Kleinübing e o presidente da Vila Germânica, Norberto Mette, estiveram semana passada no 52º Congresso Nacional de Hotelaria para fazer contatos com potenciais investidores.

Concessão da Vila Germânica pode incluir novo hotel

Um dos objetivos na participação do congresso foi ouvir as necessidades do setor pensando na possibilidade de concessão do Parque Vila Germânica. A ideia é vincular um novo hotel à entrega da estrutura de eventos ao setor privado. A empresa que assumisse o parque construiria um centro de convenções e um hotel quatro estrelas ao lado da Vila. Ainda não há perspectiva concreta sobre o assunto.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) no Estado, João Amaral Moritz, Florianópolis é a cidade com leitos de melhor qualidade. É a melhor em volume também, com 30,1 mil leitos. Em seguida está Balneário Camboriú, com 15 mil leitos. Blumenau tem apenas 3,9 mil.