Tecidos para 2010 revisitam passado

Veículo: Portugal Têxtil
Seção: Tendências
Página: www.portugaltextil.com

Ainda mal chegou o calor da Primavera/Verão 2009 e já os especialistas procuram inspiração e o mote das tendências para a estação fria do próximo ano. A Cotton Inc fez uma viagem ao passado e trouxe para o presente os tecidos que iremos ver, e usar, em 2010.

dummy
Tecidos para 2010 revisitam passado

O Outono-Inverno 2009/2010 promete um novo olhar sobre a história e o passado de cada um. A Cotton Inc já revelou o que se pode esperar em cores e materiais para a próxima estação fria. Com cinco temas diferentes, as tendências apresentadas pela analista Erin Burke colocam a ênfase na expressão pessoal e na sensibilidade e resposta ao ambiente circundante. O design de vestuário torna-se, assim, um exemplo da reacção entre estes dois elementos, onde o que usamos é tanto uma interpretação de quem somos como de onde estamos. Off-Kilter, Enrichement, Response, Propriety e Native são os “nomes de baptismo” adoptados pela Cotton Inc. para mostrar diferentes formas de encarar a vida e a moda.

O excêntrico, o extravagante e o pouco ou nada convencional tomam conta do tema Off-Kilter. Os tons fortes das malhas contrastam com o denim que se quer preto. Os padrões geométricos provocantes fazem voltar as cabeças à sua passagem. Ousar conjugar os opostos é a chave.

Já o Enrichement vai buscar a sua inspiração ao movimento ecológico e ético. Não são os grandes gestos que importam, mas as pequenas acções, os pequenos detalhes do quotidiano que fazem a diferença. É a mudança de mentalidades, sobretudo dos mais jovens, a reflectir-se no que se usa. Nas cores, os tons azuis e verdes dominam. Os tecidos têm uma textura suave e o denim escuro tem um lugar de destaque.

O espírito do Renascimento contagia o tema Response. A interligação entre as diferentes artes volta a verificar-se em pleno século XXI, com a têxtil, a robótica, a electrónica e a arquitectura a evoluírem e a convergirem, sem tirarem os olhos da Natureza como um todo. Os edifícios tentam imitar a estrutura dos tecidos, com características mais respiráveis e as sapatilhas são já capazes de recarregar os iPod’s. Os wearables estão um pouco por todo o lado e inspiram os designers. Os tons rosa e minerais são a paleta-base para este tema, onde os tecidos apresentam detalhes subtis, com efeitos tridimensionais, e os materiais naturais são predominantes.

Propriety é voltar atrás umas décadas, ao tempo dos nossos avós, onde o decoro, a decência e o recato eram características essenciais à personalidade feminina, e recuperar os padrões de então, sem que a austeridade retire beleza e feminilidade. Nas cores, os tons mostarda são essenciais e os padrões florais muito pequenos ou vitorianos indispensáveis. Nos tecidos, imperam o veludo, o cetim e a seda.

O desejo de conhecer as nossas raízes mais profundas, de olhar para o passado para projectar o futuro é o conceito por detrás da tendência Native. É o desejo renovado de preservar as tradições culturais, onde o preto domina a paleta de cores, embora sempre de mãos dadas com cores fortes, como o roxo, o verde e o vermelho. Os padrões marroquinos e o xadrez escocês são também chamados a esta tendência, com os tecidos a apresentarem-se com um ar envelhecido e gasto.