Sintrafite encaminha à Justiça caso Sulfabril

Veículo: Folha de Blumenau
Seção: Economia
Página: www.folhadeblumenau.com.br



Investidor propôs parcelar débito de R$ 23 milhões em até 58 meses, em pagamentos bimestrais

Trabalhadores e ex-funcionários da Sulfabril aguardam a decretação de falência da empresa para receberem os valores a que têm direito, desde quando foi transformada oficialmente em massa falida, setembro de 1999. Em assembleia da categoria, realizada no último sábado (28), aceitaram a proposta do grupo TKR Vitorian Participações de parcelar em até 58 meses, em pagamentos bimestrais, o débito de cerca de R$ 23 milhões.

Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Fiação e Tecelagem (Sintrafite), Vivian Bertoldi, a expectativa da categoria é que a Justiça decrete a falência da Sulfabril em no máximo dois meses, abrindo caminho para o pagamento da dívida. “Como a proposta da TKR foi aceita por unanimidade pelos trabalhadores, esperamos agora pela homologação do juiz”, reforça.

O critério definido em assembleia prevê os pagamentos do menor para o maior valor. Vivian calcula que em um ano e meio a dois anos, todos os trabalhadores tenham recebido os créditos pendentes, corridos monetariamente. “Quem tem menos para receber será pago primeiro”, explica Vivian, afirmando que tanto o sindicato quanto os trabalhadores veem com otimismo a solução do caso.

Desde que foi transformada oficialmente em massa falida, 1.341 processos foram movidos pelos trabalhadores. Na opinião do advogado do Sintrafite, Léo Bittencourt, o juiz da 1ª Vara Cível de Blumenau deve acatar o pedido dos trabalhadores. Segundo ele, a lei de falência prevê que, se um quarto dos credores entrarem em acordo, a Justiça poderá decretar a falência.



Negociação



Após quase 10 anos, o processo de falência da blumenauense Sulfabril, o grupo TKR Participações, do Rio Grande do Sul, propôs adquirir a empresa. A negociação entre o Sintrafite e a TKR se estende por mais de um ano.

“Fomos criteriosos na negociação para garantir que os trabalhadores não fossem mais uma vez prejudicados. Um dos principais pontos foi a garantia de pagamento das dívidas antigas e a manutenção dos empregos atuais”, assegura Vivian.

A partir da proposta da TKR, o Sintrafite convocou os funcionários e ex-funcionários, que têm créditos trabalhistas a receber, para apreciarem a oferta.